Home Ramos de geologia Depósitos minerais

Depósitos minerais

Depósitos minerais são acumulações de valiosos minerais que são de interesse econômico para os seres humanos. Esses depósitos podem ser encontrados em uma variedade de configurações geológicas, incluindo ígneas, sedimentares e rochas metamórficas, e eles são formados através de uma série de processos geológicos. Os minerais nesses depósitos podem ser metais, como cobre, ouroou zinco, ou não-metais, como sal ou enxofre.

O conceito básico por trás dos depósitos minerais é que minerais valiosos estão concentrados em certas áreas da crosta terrestre. Esta concentração pode ser o resultado de uma série de fatores, incluindo processos magmáticos, fluidos hidrotermais, processos sedimentares e intemperismo. A formação de depósitos minerais pode levar milhões de anos, e eles podem estar localizados em várias profundidades abaixo da superfície da Terra.

A descoberta e desenvolvimento de depósitos minerais é um aspecto importante da indústria de mineração, que fornece as matérias-primas necessárias para muitos produtos e indústrias. Compreender os processos geológicos que conduzir para a formação de depósitos minerais é importante para localizar e extrair esses recursos de forma eficiente e sustentável.

Processos de formação

Os depósitos minerais podem se formar através de uma variedade de processos, alguns dos quais incluem:

  1. Processos magmáticos: Alguns depósitos minerais são formados através do resfriamento e cristalização do magma. À medida que o magma esfria e solidifica, pode precipitar minerais, que podem se acumular para formar corpos de minério.
  2. Processos hidrotermais: Fluidos hidrotermais ricos em minerais dissolvidos podem depositar esses minerais quando entram em contato com rochas mais frias. Depósitos hidrotermais são comuns em áreas com ativos ou recentemente ativos vulcões, fontes termais e gêiseres.
  3. Processos sedimentares: Os depósitos minerais sedimentares são formados pelo acúmulo de minerais em rochas sedimentares. Esses depósitos podem se formar por meio de uma variedade de processos, como precipitação da evaporação da água, substituição de minerais existentes ou acúmulo de minerais em espaços porosos em sedimentos. rochas.
  4. Processos metamórficos: Durante o metamorfismo, os depósitos minerais podem se formar por meio da recristalização de minerais existentes, do crescimento de novos minerais ou da substituição de minerais existentes por outros minerais. Depósitos minerais metamórficos são comuns em áreas onde as rochas foram submetidas a altas temperaturas e pressões.
  5. Processos de placer: Os depósitos de placer são formados pelo acúmulo de minerais em leitos de rios ou na superfície do solo. Esses depósitos podem se formar quando os minerais são erodidos de sua rocha-mãe e transportados rio abaixo pela água ou pelo vento.
  6. Processos de intemperismo: Alguns depósitos minerais podem se formar através do intemperismo e decomposição de rochas existentes. O intemperismo pode causar a liberação de íons minerais no solo e nas águas subterrâneas, que podem se acumular para formar depósitos minerais.

Importância econômica e usos

Os depósitos minerais são de grande importância econômica, pois são a fonte de muitos recursos valiosos utilizados em diversas indústrias. Os usos dos minerais são diversos, desde materiais de construção como cimento, tijolos e telhas, até metais como ferro, cobre, ouro e prata, a recursos energéticos como carvão, petróleo e gás natural.

Além de seu valor econômico, os minerais também têm muitos outros usos, inclusive na fabricação de eletrônicos, joias e outros bens de consumo, bem como na medicina e na agricultura.

O valor económico de uma jazida mineral depende de vários factores, tais como a qualidade e quantidade do mineral, a facilidade de extracção e a procura do mineral no mercado. Portanto, compreender a geologia e mineralogia A exploração dos depósitos minerais é essencial para avaliar o seu potencial económico e desenvolver estratégias de mineração e extracção.

Alguns tipos comuns de depósitos minerais

Existem muitos tipos de depósitos minerais, mas alguns dos mais comuns incluem:

  1. depósitos de veia: São formados por fluidos hidrotermais que depositam minerais em fraturas ou fissuras nas rochas.
  2. depósitos de pórfiro: são formados pelo magma que se intromete nas rochas e deposita minerais.
  3. skarn depósitos: São formados por fluidos hidrotermais que reagem com rochas carbonáticas e depositam minerais nas rochas metamórficas resultantes.
  4. depósitos sedimentares: Formam-se pela precipitação de minerais da água em ambientes sedimentares.
  5. Depósitos de placer: são formados pela concentração de minerais pesados ​​em riachos, praias ou outros ambientes sedimentares.
  6. Sulfeto maciço vulcanogênico (VMS) depósitos: São formados por fluidos hidrotermais que depositam minerais em rochas vulcânicas.
  7. Depósitos carbonatíticos: são formados por magma que contém altas concentrações de minerais carbonáticos.
  8. Kimberlito tubos: Estes são formados pela erupção do magma que contém diamantes e outros minerais.
  9. Depósitos de óxido de ferro-cobre-ouro (IOCG): são formados por fluidos hidrotermais que depositam ferro, cobre e ouro nas rochas.
  10. Depósitos lateríticos: São formados pelo intemperismo de rochas ultramáficas e pela concentração de níquel e outros metais nos solos resultantes.

Estes são apenas alguns exemplos, e existem muitos outros tipos de depósitos minerais que podem se formar em diferentes configurações geológicas.

Depósitos de Veias Minerais

Os depósitos de veias são um tipo de depósito mineral que se forma quando os minerais são depositados a partir de fluidos hidrotermais dentro de rachaduras, fissuras ou juntas nas rochas. Eles são freqüentemente encontrados dentro de rochas que sofreram deformação ou metamorfismo. Os minerais que compõem os depósitos de veios são geralmente minérios metálicos, embora minerais não metálicos também possam ser depositados em veios.

Os depósitos de veios são formados quando fluidos quentes e ricos em minerais fluem através de fraturas nas rochas e esfriam, fazendo com que os minerais precipitem e formem veios. Os fluidos que formam depósitos de veias são frequentemente associados a sistemas magmáticos ou hidrotermais e podem ser provenientes de uma variedade de rochas diferentes, incluindo rochas plutônicas, rochas vulcânicas e rochas sedimentares.

Alguns exemplos de depósitos de veios incluem veios de ouro em Black Hills de Dakota do Sul, veios de prata em Comstock Lode em Nevada e veios de cobre na Península Keweenaw de Michigan. Os depósitos de veios geralmente são economicamente valiosos, pois podem conter altas concentrações de minerais valiosos.

Bingham Canyon em Utah (EUA) Mina de cobre Bingham Canyon em Utah (EUA) Mina de cobre

Tipos de Depósitos Minerais

Existem vários tipos de depósitos minerais, cada um com suas próprias características e processos de formação. Alguns dos tipos mais comuns de depósitos minerais incluem:

  1. depósitos magmáticos: São formados pelo resfriamento e cristalização do magma e incluem depósitos de cromita, platina, níquel e cobre.
  2. Depósitos hidrotermais: são formados pela circulação de fluidos aquosos quentes e incluem depósitos de ouro, prata, chumbo, zinco e cobre.
  3. Depósitos sedimentares: São formados pelo acúmulo e concentração de partículas minerais em rochas sedimentares e incluem depósitos de ferro, manganês, urânio, e fosfato.
  4. Depósitos residuais: São formados pelo intemperismo e lixiviação das rochas, deixando para trás os minerais concentrados, e incluem depósitos de bauxita e ferro.
  5. Depósitos de placer: são formados pela concentração de minerais provenientes do intemperismo e da erosão em leitos de riachos e areias de praias e incluem jazidas de ouro, lata, e diamantes.
  6. Depósitos carbonatíticos: São raros e formados pelo resfriamento e solidificação do magma carbonatítico e incluem depósitos de elementos de terras raras e nióbio.
  7. Depósitos Kimberlíticos: São formados por atividade vulcânica profunda e incluem depósitos de diamantes.
  8. Depósitos evaporíticos: São formados pela evaporação da água salina e incluem depósitos de halita, gesso, e potassa.
  9. Depósitos lateríticos: São formados pelo intemperismo de rochas ultramáficas em climas tropicais e incluem depósitos de níquel e cobalto.
  10. Depósitos de óxido de ferro-cobre-ouro (IOCG): são formados por fluidos hidrotermais e incluem depósitos de ferro, cobre e ouro.

Cada tipo de jazida mineral possui características distintas, sendo que a exploração e o desenvolvimento de um determinado tipo de jazida requerem técnicas e conhecimentos especializados.

Mineralogia Primária

Mineralogia primária refere-se a minerais que se formam diretamente de processos ígneos, metamórficos e sedimentares. Esses minerais são formados em sua localização atual e não foram transportados ou alterados de seu estado original. Os minerais primários são frequentemente classificados com base em sua estrutura cristalina, que é determinada pela química do mineral e como ele foi formado.

In Rochas ígneas, os minerais que se formam são principalmente minerais de silicato, que contêm silício e oxigênio, juntamente com outros elementos como alumínio, magnésio, ferro e potássio. Alguns dos minerais de silicato primários comuns encontrados em rochas ígneas incluem feldspato, quartzo, mica, piroxeno, anfibólio e olivina.

As rochas metamórficas são formadas a partir do alteração de rochas pré-existentes devido a mudanças de temperatura, pressão e ambiente químico. Os minerais primários que se formam durante o metamorfismo são tipicamente minerais de silicato, mas muitas vezes são diferentes dos minerais encontrados na rocha original. Por exemplo, o minério granada muitas vezes se forma durante o metamorfismo de xisto or arenito.

As rochas sedimentares são formadas a partir do acúmulo de sedimentos que foram transportados e depositados pelo vento, água ou gelo. Os minerais primários que se formam em rochas sedimentares são tipicamente minerais não silicáticos, como calcite, dolomite, gesso e halita.

A mineralogia primária é importante no estudo da geologia porque fornece pistas sobre a história da crosta terrestre e os processos que formaram rochas e minerais. Ao estudar a composição e distribuição de minerais primários, os geólogos podem obter informações sobre a história geológica de uma área e entender melhor os recursos que estão presentes.

Minério de ferro Mineral

minerais secundários

Minerais secundários são minerais formados por meio da alteração de minerais pré-existentes, normalmente como resultado da exposição a fluidos hidrotermais ou processos de intemperismo.

Em alguns casos, os minerais secundários são formados pela reação de minerais pré-existentes com fluidos enriquecidos em certos elementos, como água aquecida por magma ou águas subterrâneas enriquecidas com íons metálicos de um depósito mineral. Em outros casos, os minerais secundários se formam por meio de processos de intemperismo que podem quebrar minerais pré-existentes e liberar seus constituintes químicos, que então se recombinam para formar novos minerais.

Exemplos de minerais secundários incluem serpentina, que se forma através da alteração de rochas ultramáficas, e caulinita, que é formado através do intemperismo de minerais de feldspato em granito. Minerais secundários podem ser economicamente importantes, pois podem conter metais e minerais valiosos que não estavam presentes na rocha ou mineral original.

Ametista em Veracruz Ganga Mineral

O que é Host Rock?

Em geologia, o termo “rocha hospedeira” refere-se à rocha que envolve, envolve ou contém um depósito de minério, veio mineral ou outra característica geológica de interesse. A rocha hospedeira pode ser de origem sedimentar, ígnea ou metamórfica, e a mineralização ou depósito que ela contém pode estar associada à formação ou intrusão da rocha hospedeira.

No contexto da mineração, entender as características da rocha hospedeira é fundamental para determinar a viabilidade e a rentabilidade potencial de um projeto de mineração. O tipo de rocha hospedeira, sua composição mineral, estrutura e outras propriedades podem afetar a facilidade com que os minerais ou metais podem ser extraídos, bem como os custos associados à extração e processamento.

A rocha dentro da qual ocorre o depósito de minério

  • Rochas vulcânicas ou piroclásticas
  • Rochas plutônicas ou subvulcânicas
  • rochas ultramáficas
  • rochas carbonáticas
  • Rochas sedimentares
  • Rochas evaporíticas

Rocha de parede ou rock country

Em geologia, o termo “rocha de parede” ou “rocha campestre” refere-se à rocha circundante que encerra uma intrusão ígnea, depósito de minério ou veia mineral. As rochas da parede são geralmente mais antigas do que o evento intrusivo ou mineralizante que as cercam e podem ter sido alteradas pelo calor e fluidos associados à intrusão ou mineralização.

Por exemplo, no contexto de um veio mineral, a parede rochosa é a rocha que está em contato com o veio, podendo ser um fator importante na formação e características do veio. As rochas da parede também podem influenciar o tipo de mineralização que ocorre, bem como a forma e a orientação do depósito. Compreender as propriedades e características das paredes rochosas é uma parte importante da exploração mineral e mineração.

A rocha que envolve o depósito de minério, em particular, a rocha de cada lado de uma veia

  • Rochas vulcânicas ou piroclásticas
  • Rochas plutônicas ou subvulcânicas
  • rochas ultramáficas
  • rochas carbonáticas
  • Rochas sedimentares
  • Rochas evaporíticas

Referências

  1. Guilbert, JM, & Park Jr, CF (2007). A geologia dos depósitos de minério (2ª ed.). Imprensa Waveland.
  2. Evans, AM (1993). Geologia de minério e minerais industriais: uma introdução (2ª ed.). Ciência de Blackwell.
  3. Profett, JM (2003). Geologia dos depósitos minerais da Austrália e Papua Nova Guiné (3ª ed.). AusIMM.
  4. Sillitoe, RH (2010). Sistemas de cobre pórfiro. Geologia econômica, 105(1), 3-41.
  5. Heinrich, CA, Driesner, T., & Monecke, T. (2007). A geologia dos depósitos de minério hidrotermais. Economic Geology, 102(3), 469-505.
  6. Hofstra, AH, Cline, JS, & Deutsch, CV (2000). Capítulo 23 – Depósitos de ouro. Em Geologia dos depósitos minerais da Cordilheira do oeste do Canadá (pp. 705-762). Instituto Canadense de Mineração, Metalurgia e petróleo.
  7. Ridley, JR, & Diamante, LV (2014). A natureza e origem dos depósitos de ouro dos conglomerados Witwatersrand no Supergrupo Ventersdorp, África do Sul – uma reavaliação. Ore Geology Reviews, 62, 156-177.
  8. Kesler, SE, Wilkinson, BH, & Kesler, SE (2012). Geologia de jazidas de minério. Cambridge University Press.
  9. Hedenquist, JW, & Lowenstern, JB (1994). O papel dos magmas na formação de jazidas hidrotermais. Nature, 370(6490), 519-527.
  10. Hoefs, J. (2009). Geoquímica de isótopos estáveis ​​(6ª ed.). Springer.

Sair da versão móvel