Home Geologia Tectônica de Placas

Tectônica de Placas

A tectônica de placas é uma teoria científica que explica os movimentos e comportamentos da litosfera da Terra, que é composta pela crosta e pelo manto superior. A teoria propõe que a litosfera da Terra é dividida em uma série de placas que estão em constante movimento, impulsionadas pelo calor gerado pelo núcleo da Terra. À medida que essas placas se movem, elas interagem umas com as outras, levando a uma ampla gama de fenômenos geológicos, como terremotos, erupções vulcânicas e a formação de montanha gamas.

A teoria das placas tectônicas foi desenvolvida nas décadas de 1960 e 1970, com base em uma combinação de dados geofísicos e observações das características da superfície da Terra. Substituiu teorias anteriores de “deriva continental” e “expansão do fundo do mar” e forneceu uma estrutura unificadora para a compreensão da história geológica da Terra e da distribuição de recursos naturais.

Alguns dos principais conceitos relacionados às placas tectônicas incluem os tipos de limites das placas, os processos de subducção e expansão do fundo do mar, a formação de montanhas e dorsais oceânicas e a distribuição de terremotos e atividades vulcânicas em todo o mundo. As placas tectónicas têm implicações importantes para a nossa compreensão dos perigos naturais, das alterações climáticas e da evolução da vida na terra.

Teoria Tectônica de Placas

Além de simplesmente descrever os movimentos atuais das placas, a Tectônica de Placas fornece uma estrutura abrangente que conecta muitos elementos da ciência da Terra. A tectônica de placas é uma teoria científica relativamente jovem que precisou do avanço da tecnologia de observação e computação nas décadas de 1950 e 1960 para se tornar totalmente elaborada. é explicativo gravitas e o peso da evidência observacional superou muito o ceticismo inicial sobre o quão móvel a superfície da Terra realmente é, e a Tectônica de Placas rapidamente se tornou universalmente aceita por cientistas em todo o mundo.

Desenvolvimento histórico da teoria da Tectônica de Placas

A teoria da Tectônica de Placas é uma das teorias mais fundamentais e influentes no campo da geologia. A teoria explica a estrutura da litosfera da Terra e os processos que impulsionam o movimento das placas tectônicas da Terra. O desenvolvimento da teoria da Tectônica de Placas é o resultado das contribuições de muitos cientistas ao longo de vários séculos. Aqui estão alguns dos principais desenvolvimentos no desenvolvimento histórico da teoria da Tectônica de Placas:

  1. Hipótese da Deriva Continental por Alfred Wegener (1912): A ideia de que os continentes já estiveram conectados e desde então se afastaram foi proposta pela primeira vez por Alfred Wegener em 1912. Wegener baseou sua hipótese no ajuste dos continentes, semelhanças nos tipos de rocha e fósseis em lados opostos do Atlântico, e evidências de glaciação passada.
  2. Estudos de paleomagnetismo (década de 1950): Na década de 1950, estudos sobre a magnetização de rochas no fundo do oceano mostraram que a crosta oceânica tinha um padrão de faixas magnéticas simétricas em relação às dorsais oceânicas. Esse padrão forneceu evidências da expansão do fundo do mar e ajudou a apoiar a ideia da deriva continental.
  3. Hipótese de Vine-Matthews-Morley (1963): Em 1963, Fred Vine, Drummond Matthews e Lawrence Morley propuseram uma hipótese que explicava as faixas magnéticas simétricas no fundo do mar em termos de expansão do fundo do mar. A hipótese sugeria que uma nova crosta oceânica foi formada nas dorsais do meio do oceano e depois se afastou das dorsais em direções opostas, criando um padrão de faixas magnéticas.
  4. Teoria das Placas Tectônicas (final da década de 1960): No final da década de 1960, a ideia de deriva continental e expansão do fundo do mar foram combinadas na Teoria das Placas Tectônicas. A teoria explica o movimento das placas litosféricas da Terra, que são constituídas pelos continentes e pela crosta oceânica. As placas se movem em resposta às forças geradas pela convecção do manto e interagem nos limites das placas, que estão associados a terremotos, atividade vulcânica e construção de montanha.
  5. Refinamentos subsequentes: Desde o desenvolvimento da teoria da Tectônica de Placas, houve muitos refinamentos e avanços em nossa compreensão do movimento das placas e dos limites das placas. Isso inclui o reconhecimento de diferentes tipos de limites de placas (por exemplo, divergentes, convergentes e transformadas), o estudo de pontos quentes e plumas do manto e o uso do sistema de posicionamento global (GPS) para rastrear o movimento das placas.

Evidências para a teoria

A teoria das placas tectônicas é apoiada por uma ampla gama de evidências de vários campos de estudo. aqui estão alguns exemplos:

  1. Paleomagnetismo: as rochas contêm pequenas partículas magnéticas minerais que se alinham com o campo magnético da Terra quando são formados. Ao medir a orientação desses minerais, os cientistas podem determinar a latitude em que a rocha foi formada. Quando rochas de diferentes continentes são comparadas, elas mostram que suas orientações magnéticas combinam como se estivessem juntas.
  2. Expansão do fundo do mar: As cordilheiras meso-oceânicas, onde a nova crosta oceânica é formada, são as cordilheiras mais longas da Terra. À medida que o magma sobe e se solidifica nas cordilheiras, cria uma nova crosta oceânica que se afasta da cordilheira em direções opostas. Medindo as idades das rochas em ambos os lados da cordilheira, os cientistas mostraram que o fundo do mar está se espalhando.
  3. Terremotos e vulcões: A maioria dos terremotos e vulcões ocorre nos limites das placas, fornecendo mais evidências de que as placas estão se movendo.
  4. Medições de GPS: A tecnologia do sistema de posicionamento global (GPS) permite que os cientistas meçam o movimento das placas da Terra com grande precisão. Essas medições confirmam que as placas estão realmente se movendo e fornecem informações sobre as taxas e direções do movimento das placas.
  5. Evidências fósseis: Fósseis de organismos idênticos foram encontrados em lados opostos do Oceano Atlântico, indicando que os continentes já foram unidos.

No geral, a teoria das placas tectônicas é apoiada por um grande corpo de evidências de várias fontes, fornecendo uma explicação robusta para os movimentos e interações das placas litosféricas da Terra.

Limites de placas: tipos e características

Os limites das placas referem-se às zonas onde as placas que compõem a litosfera da Terra interagem. Existem três tipos principais de limites de placas: divergente, convergente e transformada. Cada tipo é caracterizado por características específicas e processos geológicos.

  1. Limites de Placas Divergentes: ocorrem onde as placas se afastam umas das outras. O magma sobe do manto e cria uma nova crosta à medida que esfria e solidifica. Esse processo é chamado de expansão do fundo do mar e resulta na formação de cordilheiras oceânicas. Limites divergentes também ocorrem em terra, onde criam vales rifte. Exemplos de limites divergentes incluem a Cordilheira do Meio-Atlântico e a Zona do Rift da África Oriental.
  2. Limites de Placas Convergentes: ocorrem onde as placas se movem uma em direção à outra. Existem três tipos de limites convergentes, dependendo do tipo de placas envolvidas: oceânico-oceânica, oceânico-continental e continental-continental. Em um limite convergente oceânico-oceânico, uma placa subducta (mergulha abaixo) a outra e uma trincheira em alto mar é formada. A subducção também cria um arco vulcânico na placa principal. Exemplos de limites convergentes oceânico-oceânicos incluem as Ilhas Aleutas e as Ilhas Marianas. Em um limite convergente oceânico-continental, a placa oceânica mais densa subduz sob a placa continental menos densa, criando um arco vulcânico continental. Exemplos de limites convergentes oceânico-continentais incluem os Andes e as Cascatas. Em um limite convergente continental-continental, nenhuma das placas subducta porque elas são muito flutuantes. Em vez disso, eles se dobram e se dobram, criando grandes cadeias de montanhas. Exemplos de limites convergentes continental-continental incluem o Himalaia e as montanhas Apalaches.
  3. Limites de placa de transformação: ocorrem onde as placas deslizam umas sobre as outras. Eles são caracterizados por greve falhas, onde o movimento é horizontal em vez de vertical. Os limites de transformação estão associados a terremotos, e o exemplo mais famoso é o San Andreas Culpa na Califórnia.

As características dos limites das placas estão relacionadas ao tipo de interação entre as placas e aos processos geológicos que ocorrem nesses limites. Compreender os tipos de limites de placas é crucial para entender as placas tectônicas e os processos geológicos que moldam nosso planeta.

Limites da placa

Como as placas tectônicas funcionam

A tectônica de placas é a teoria que descreve o movimento de grandes segmentos da litosfera da Terra (crosta e parte superior do manto) no topo da astenosfera mais fraca. A litosfera é dividida em uma série de placas que se movem umas em relação às outras a taxas de alguns centímetros por ano. O movimento dessas placas é impulsionado por forças geradas no interior da Terra.

O processo de placas tectônicas envolve as seguintes etapas:

  1. Criação de nova litosfera oceânica nas dorsais meso-oceânicas, onde o magma sobe do manto e se solidifica para formar uma nova crosta. Isso é chamado de expansão do fundo do mar.
  2. Destruição da antiga litosfera oceânica em zonas de subducção, onde uma placa é forçada sob outra no manto. Este processo é acompanhado pela liberação de energia sísmica, causando terremotos.
  3. Movimento das placas devido às forças geradas em seus limites, que podem ser divergentes, convergentes ou transformantes.
  4. Interações entre as placas, que podem causar a formação de montanhas, a abertura ou fechamento de bacias oceânicas e a formação de vulcões.

No geral, o movimento das placas da Terra é responsável por muitas das características geológicas que observamos em nosso planeta.

Quais são as placas?

A litosfera da Terra, que é a camada sólida mais externa da Terra, é dividida em várias placas grandes e pequenas que flutuam na astenosfera dúctil subjacente. Essas placas são compostas pela crosta terrestre e pela porção superior do manto e podem se mover independentemente umas das outras. Existem cerca de uma dúzia de placas principais, que são as placas do Pacífico, da América do Norte, da América do Sul, da Eurásia, da África, da Indo-Australiana, da Antártica e de Nazca, e várias placas menores.

Limites da placa

Os limites das placas são as regiões onde duas ou mais placas tectônicas se encontram. Existem três tipos principais de limites de placas: limites divergentes, onde as placas se afastam umas das outras; limites convergentes, onde as placas se movem uma em direção à outra e colidem; e transformar limites, onde as placas deslizam umas sobre as outras. Esses limites são caracterizados por características e fenômenos geológicos específicos, como vales rifte, cordilheiras meso-oceânicas, zonas de subducção e terremotos. As interações entre as placas em seus limites são responsáveis ​​por muitos processos geológicos, incluindo formação de montanhas, atividade vulcânica e formação de bacias oceânicas.

Limites Divergentes: Características e Exemplos

Limites divergentes são locais onde duas placas tectônicas se afastam uma da outra. Esses limites podem ser encontrados tanto em terra quanto sob o oceano. À medida que as placas se afastam, o magma sobe à superfície e esfria para formar uma nova crosta, que cria uma lacuna ou fenda entre as placas.

Características dos Limites Divergentes:

  • Dorsais meso-oceânicas: Cordilheiras subaquáticas que se formam em limites divergentes entre as placas oceânicas. A dorsal meso-oceânica mais extensa e mais conhecida é a dorsal meso-atlântica.
  • Vales do Rift: Vales profundos que se formam em terra nos limites das placas divergentes, como o Vale do Rift da África Oriental.
  • Vulcões: Quando o magma sobe à superfície em limites divergentes, pode formar vulcões, especialmente em áreas onde o limite está sob o oceano. Esses vulcões são tipicamente vulcões de escudo, que são largos e levemente inclinados.

Exemplos de Fronteiras Divergentes:

  • Dorsal Mesoatlântica: O limite entre a Placa Norte-Americana e a Placa Euro-asiática.
  • Vale do Rift da África Oriental: A fronteira entre a Placa Africana e a Placa Arábica.
  • Islândia: Uma ilha vulcânica que fica na Cordilheira Mesoatlântica, na fronteira entre a Placa Norte-Americana e a Placa Eurasiática.

Limites convergentes: recursos e exemplos

Limites convergentes são áreas onde duas placas tectônicas colidem. As características e características desses limites dependem do tipo de placas que estão convergindo, sejam elas oceânicas ou continentais, e suas densidades relativas. Existem três tipos de limites convergentes:

  1. Convergência oceânico-continental: neste tipo de convergência, uma placa oceânica subducta sob uma placa continental, formando uma fossa oceânica profunda e uma cadeia montanhosa vulcânica. A subducção da placa oceânica cria um derretimento parcial do manto, o que leva à formação de magma. O magma sobe à superfície e cria uma cadeia montanhosa vulcânica na placa continental. Exemplos desse tipo de limite incluem a Cordilheira dos Andes na América do Sul e a Cordilheira das Cascatas na América do Norte.
  2. Convergência oceânica-oceânica: neste tipo de convergência, uma placa oceânica subducta sob outra placa oceânica, formando uma fossa oceânica profunda e um arco de ilha vulcânica. A subducção da placa oceânica cria um derretimento parcial do manto, o que leva à formação de magma. O magma sobe à superfície e cria um arco de ilha vulcânica. Exemplos desse tipo de limite incluem as Ilhas Aleutas no Alasca e as Ilhas Marianas no Pacífico ocidental.
  3. Convergência continental-continental: Neste tipo de convergência, duas placas continentais colidem, formando uma alta cordilheira. Como ambas as placas continentais têm densidades semelhantes, nenhuma delas pode ser subduzida. Em vez disso, as placas são empurradas para cima, formando uma alta cordilheira com extensas dobras e falhas. Exemplos desse tipo de fronteira incluem o Himalaia na Ásia e as montanhas Apalaches na América do Norte.

Nos limites convergentes, terremotos, erupções vulcânicas e formação de cadeias de montanhas são características comuns devido à intensa atividade geológica que ocorre nesses locais.

Limites de transformação: recursos e exemplos

Limites transformantes são zonas onde duas placas tectônicas deslizam uma sobre a outra em um movimento horizontal. Esses limites também são conhecidos como limites conservativos, pois não há criação ou destruição líquida da litosfera. Aqui estão alguns dos recursos e exemplos de limites de transformação:

Características:

  • Limites transformantes são tipicamente caracterizados por uma série de falhas ou fraturas paralelas na litosfera.
  • As falhas associadas aos limites transformantes podem variar de alguns metros a centenas de quilômetros de extensão.
  • Os limites de transformação podem criar recursos lineares na superfície da Terra, como vales ou cumes.
  • O movimento das placas ao longo dos limites transformantes pode criar terremotos.

Exemplos:

  • A falha de San Andreas na Califórnia é um exemplo bem conhecido de limite de transformação. Marca a fronteira entre a Placa Norte-Americana e a Placa do Pacífico.
  • A Falha Alpina na Nova Zelândia é outro exemplo de fronteira transformante, marcando a fronteira entre a Placa do Pacífico e a Placa Australiana.
  • O Mar Morto Transformar no Oriente Médio é um sistema complexo de falhas transformantes que conectam o Rift do Mar Vermelho à Zona de Falha da Anatólia Oriental.

Os limites transformantes desempenham um papel importante nas placas tectônicas, pois ajudam a acomodar o movimento das placas ao longo da superfície da Terra.

Movimento da Placa e Cinemática da Placa

O movimento das placas refere-se ao movimento das placas tectônicas umas em relação às outras. O estudo do movimento das placas é chamado de cinemática das placas. A cinemática das placas envolve a medição da direção, taxa e estilo de movimento das placas tectônicas.

O movimento das placas é impulsionado pelo movimento do magma no manto, o que faz com que as placas se movam em direções diferentes e em velocidades diferentes. O movimento das placas pode ser medido usando uma variedade de técnicas, incluindo GPS (Sistema de Posicionamento Global) e imagens de satélite.

Existem três tipos de limites de placas: divergentes, convergentes e transformantes. Em limites divergentes, duas placas se afastam uma da outra, criando uma nova crosta no processo. Nos limites convergentes, duas placas se movem uma em direção à outra, e a placa oceânica mais densa é subduzida sob a placa continental menos densa. Nos limites de transformação, duas placas deslizam uma sobre a outra horizontalmente.

A direção e a velocidade do movimento das placas podem ser afetadas por uma variedade de fatores, incluindo a densidade e espessura da litosfera, a força e orientação das placas litosféricas e a distribuição das células de convecção do manto. O estudo da cinemática das placas é essencial para a compreensão da formação e evolução da crosta terrestre, bem como para prever e mitigar os efeitos de terremotos e erupções vulcânicas.

Forças Motrizes das Placas Tectônicas

As forças motrizes das placas tectônicas são as forças que causam o movimento das placas tectônicas da Terra. Existem dois tipos principais de forças motrizes:

  1. Empurrão do cume: essa força é causada pelo empurrão ascendente do magma nas dorsais meso-oceânicas, que cria uma nova crosta oceânica. À medida que a nova crosta se forma, ela empurra a crosta mais antiga para longe da crista, fazendo com que ela se mova.
  2. Tração da laje: essa força é causada pelo peso da litosfera oceânica em subducção, que puxa o restante da placa em direção à zona de subducção. À medida que a placa é puxada, ela pode causar deformação, terremotos e atividade vulcânica.

Outras possíveis forças motrizes da tectônica de placas incluem a convecção do manto, que é o movimento lento do manto da Terra devido ao calor do núcleo, e as forças gravitacionais, que podem causar o movimento lateral das placas.

Placas Tectônicas e Terremotos

As placas tectônicas e os terremotos são fenômenos intimamente relacionados. Terremotos ocorrem quando duas placas interagem em seus limites. Os limites das placas são classificados em três tipos: divergentes, convergentes e transformantes. Os terremotos ocorrem em todos os três tipos de limites, mas as características dos terremotos diferem dependendo do tipo de limite.

Em limites divergentes, os terremotos tendem a ser rasos e de baixa magnitude. Isso ocorre porque as placas estão se afastando e há relativamente pouco atrito e estresse nas rochas. No entanto, à medida que as placas se afastam, a profundidade dos terremotos pode aumentar.

Nos limites convergentes, os terremotos podem ser profundos e de alta magnitude. Isso ocorre porque as placas estão colidindo e as rochas estão sob alto estresse e pressão. As zonas de subducção, onde uma placa é forçada sob outra, são particularmente propensas a terremotos grandes e destrutivos.

Os limites de transformação também experimentam grandes terremotos. Esses limites ocorrem onde duas placas estão deslizando uma sobre a outra horizontalmente. O atrito e a pressão nas rochas podem conduzir a grandes terremotos.

No geral, as placas tectônicas são a força motriz por trás da maioria dos terremotos na Terra, e a compreensão do movimento e das interações das placas tectônicas é crucial para prever e mitigar terremoto perigos.

Tectônica de Placas e Vulcanismo

A tectônica de placas e o vulcanismo estão intimamente relacionados porque a maior parte da atividade vulcânica da Terra ocorre nos limites das placas. O magma sobe do manto e é forçado para cima pelo movimento das placas tectônicas, criando erupções vulcânicas. O tipo de vulcão e o estilo de erupção é determinado pela composição e viscosidade do magma.

Nos limites das placas divergentes, o magma sobe do manto para criar uma nova crosta, formando vulcões-escudo que normalmente não são explosivos. As cordilheiras meso-oceânicas são exemplos desse tipo de atividade vulcânica.

Nos limites das placas convergentes, a placa oceânica mais densa subduz sob a placa continental menos densa, derretendo a placa subduzida para formar o magma. Este tipo de atividade vulcânica pode resultar em erupções explosivas e na formação de estratovulcões. O Círculo de Fogo do Pacífico é uma zona de intensa atividade vulcânica que ocorre nos limites das placas convergentes.

Os limites das placas transformantes normalmente não produzem atividade vulcânica, mas podem criar características vulcânicas, como erupções de fissuras e aberturas vulcânicas.

Em resumo, as placas tectônicas desempenham um papel significativo na formação e localização dos vulcões, e o tipo de atividade vulcânica é determinado pelo tipo de limite da placa e pela composição do magma.

Tectônica de Placas e Construção de Montanhas

As placas tectônicas desempenham um papel significativo na formação de montanhas ou na orogenia. As montanhas são formadas pela deformação e elevação da crosta terrestre. Existem dois tipos de processos de construção de montanhas: 1) construção de montanha de fronteira convergente e 2) construção de montanha intraplaca.

  1. A formação de montanhas de limite convergente ocorre onde duas placas tectônicas colidem e causam soerguimento e deformação. O exemplo mais proeminente desse tipo de construção de montanha é a cordilheira do Himalaia. O subcontinente indiano colidiu com a placa da Eurásia, causando a elevação do Himalaia.
  2. A construção de montanhas intraplacas ocorre onde uma placa tectônica se move sobre uma pluma do manto. À medida que a placa se move sobre a pluma, o magma sobe à superfície, criando ilhas vulcânicas e uma cadeia de montanhas. As ilhas havaianas são um exemplo de construção de montanhas intraplaca.

As placas tectônicas também desempenham um papel na formação de outras estruturas geológicas, como vales rifte e fossas oceânicas. Nos vales rifte, a crosta é separada por forças tectônicas, causando a formação de um vale. As trincheiras oceânicas se formam em zonas de subducção, onde uma placa tectônica é empurrada para baixo de outra e para dentro do manto. À medida que a placa desce, ela se dobra e forma uma trincheira profunda.

Tectônica de placas e o ciclo das rochas

Tectônica de placas e o ciclo das rochas são processos intimamente relacionados que moldam a superfície da Terra e a composição de sua crosta. O ciclo das rochas descreve a transformação de rochas de um tipo para outro através de processos geológicos como intemperismo, erosão, calor e pressão, fusão e solidificação. As placas tectônicas desempenham um papel significativo no ciclo das rochas, reciclando e alterando a crosta terrestre por meio de processos de subducção, colisão e rifting.

As zonas de subducção são áreas onde uma placa tectônica está sendo forçada sob outra e estão associadas à formação de arcos vulcânicos e arcos insulares. À medida que a placa de subducção desce para o manto, ela se aquece e libera água, o que reduz a temperatura de fusão das rochas circundantes e gera magma. Esse magma sobe à superfície e forma vulcões, que liberam novos minerais e gases na atmosfera.

As zonas de colisão ocorrem onde duas placas tectônicas convergem e soerguem a crosta, levando à formação de cadeias de montanhas. A colisão das placas da Índia e da Eurásia, por exemplo, criou a cordilheira do Himalaia. Esse processo também provoca o metamorfismo das rochas, pois o calor intenso e a pressão da colisão as transformam em novos tipos de rochas.

As zonas de rifting são áreas onde as placas tectônicas estão se afastando, levando à formação de novas bacias oceânicas e dorsais oceânicas. À medida que as placas se afastam, a crosta é afinada e o magma sobe para preencher a lacuna, solidificando-se e formando uma nova crosta. Este processo produz atividade vulcânica e pode levar à formação de novos depósitos minerais.

Em resumo, as placas tectônicas impulsionam o ciclo das rochas criando nova crosta, reciclando a velha crosta e transformando rochas por meio de processos de subducção, colisão e rifting.

Placas Tectônicas e a Evolução da Vida

As placas tectônicas têm desempenhado um papel significativo na evolução da vida na Terra. Ele moldou o ambiente do planeta e permitiu o desenvolvimento e a diversificação da vida ao longo do tempo. Aqui estão algumas maneiras pelas quais as placas tectônicas influenciaram a evolução da vida:

  1. Formação de continentes: A tectônica de placas causou a formação de continentes e seu movimento ao longo do tempo. A separação e colisão de continentes criaram diversos habitats para diferentes tipos de organismos evoluírem.
  2. Mudanças climáticas: as placas tectônicas influenciaram as mudanças climáticas, alterando a distribuição da terra e do mar e os padrões de circulação dos oceanos e da atmosfera. Isso afetou a evolução das espécies, criando novos habitats e alterando as condições ambientais.
  3. Biogeografia: O movimento dos continentes criou barreiras e caminhos para a migração de espécies, levando ao desenvolvimento de ecossistemas e padrões biogeográficos únicos.
  4. Vulcanismo: As placas tectônicas levaram à formação de vulcões, que contribuíram para a evolução da vida, fornecendo novos habitats e solo rico em nutrientes.

No geral, as placas tectônicas têm sido um fator chave na formação do ambiente da Terra e na criação das condições necessárias para a evolução e diversificação da vida.

Placas Tectônicas e Recursos Minerais

As placas tectônicas desempenham um papel significativo na formação e distribuição dos recursos minerais. Depósitos de minério, incluindo metais preciosos como ouro, prata e platina, bem como metais industriais, como cobre, zinco, e chumbo, são frequentemente associados aos limites das placas tectônicas.

Nos limites das placas convergentes, as zonas de subducção podem gerar minerais em grande escala depósitos, incluindo cobre pórfiro, ouro epitérmico e prata, e depósitos maciços de sulfeto. Esses depósitos são formados por fluidos hidrotermais que são liberados da laje de subducção e da cunha do manto sobrejacente, causando precipitação mineral nas rochas circundantes.

Além disso, as cordilheiras meso-oceânicas, onde uma nova crosta oceânica é criada, podem abrigar depósitos de minerais de sulfeto ricos em cobre, zinco e outros metais. Esses depósitos são formados por fontes hidrotermais que liberam fluidos ricos em minerais na água do mar circundante.

As placas tectônicas também influenciam a formação de depósitos de hidrocarbonetos, como petróleo e gás. Esses depósitos são frequentemente encontrados em bacias sedimentares associadas a vales rifte, margens passivas e margens convergentes. Rico em orgânicos rochas sedimentares são enterrados e aquecidos ao longo do tempo, levando à formação de hidrocarbonetos.

No geral, as placas tectônicas são um fator crucial na formação e distribuição dos recursos minerais, e entender os processos geológicos associados aos limites das placas é essencial para identificar e explorar esses recursos.

hotspots

Embora a maior parte da atividade vulcânica da Terra esteja concentrada ao longo ou adjacente aos limites das placas, existem algumas exceções importantes nas quais essa atividade ocorre dentro das placas. Cadeias lineares de ilhas, com milhares de quilômetros de comprimento, que ocorrem longe dos limites das placas são os exemplos mais notáveis. Essas cadeias de ilhas registram uma sequência típica de elevação decrescente ao longo da cadeia, desde a ilha vulcânica até o recife em franja até o atol e, finalmente, até o monte submarino submerso. Um vulcão ativo geralmente existe em uma extremidade de uma cadeia de ilhas, com vulcões extintos progressivamente mais antigos ocorrendo ao longo do restante da cadeia. O geofísico canadense J. Tuzo Wilson e o geofísico americano W. Jason Morgan explicaram tais características topográficas como resultado de pontos quentes.

As principais placas tectônicas que compõem a litosfera terrestre. Também estão localizadas várias dezenas de pontos quentes onde plumas de material quente do manto ressurgem sob as placas.Encyclopædia Britannica, Inc.

zonas sísmicas; vulcõesAs zonas de terremotos do mundo ocorrem em faixas vermelhas e coincidem amplamente com os limites das placas tectônicas da Terra. Os pontos pretos indicam vulcões ativos, enquanto os pontos abertos indicam os inativos.Encyclopædia Britannica, Inc.

O número desses pontos quentes é incerto (as estimativas variam de 20 a 120), mas a maioria ocorre dentro de uma placa e não no limite de uma placa. Pensa-se que os pontos quentes sejam a expressão superficial de plumas gigantes de calor, denominadas plumas do manto, que sobem das profundezas do manto, possivelmente do limite do núcleo-manto, cerca de 2,900 km (1,800 milhas) abaixo da superfície. Essas plumas são consideradas estacionárias em relação às placas litosféricas que se movem sobre elas. Um vulcão se forma na superfície de uma placa diretamente acima da pluma. À medida que a placa se move, no entanto, o vulcão é separado de sua fonte de magma subjacente e se extingue. Os vulcões extintos são erodidos à medida que esfriam e diminuem para formar recifes e atóis e, eventualmente, afundam abaixo da superfície do mar para formar um monte submarino. Ao mesmo tempo, um novo vulcão ativo se forma diretamente acima da pluma do manto.

Diagrama representando o processo de formação do atol. Os atóis são formados a partir de partes remanescentes de ilhas vulcânicas que estão afundando.Encyclopædia Britannica, Inc.

O melhor exemplo desse processo é preservado na cadeia de montanhas submarinas do Imperador Havaiano. A pluma está atualmente situada abaixo do Havaí, e uma cadeia linear de ilhas, atóis e montes submarinos se estende por 3,500 km (2,200 milhas) a noroeste até Midway e mais 2,500 km (1,500 milhas) ao norte-noroeste até a Fossa Aleuta. A idade em que o vulcanismo se extinguiu ao longo desta cadeia fica progressivamente mais velha com o aumento da distância do Havaí - evidência crítica que suporta esta teoria. O vulcanismo de ponto quente não se restringe às bacias oceânicas; também ocorre dentro dos continentes, como no caso do Parque Nacional de Yellowstone, no oeste da América do Norte.

As medições sugerem que os hotspots podem se mover um em relação ao outro, situação não prevista pelo modelo clássico, que descreve o movimento de placas litosféricas sobre plumas mantélicas estacionárias. Isso levou a desafios para este modelo clássico. Além disso, a relação entre hotspots e plumas é muito debatida. Os defensores do modelo clássico sustentam que essas discrepâncias se devem aos efeitos da circulação do manto à medida que as plumas sobem, um processo chamado de vento do manto. Dados de modelos alternativos sugerem que muitas plumas não têm raízes profundas. Em vez disso, eles fornecem evidências de que muitas plumas do manto ocorrem como cadeias lineares que injetam magma em fraturas, resultam de processos relativamente rasos, como a presença localizada de manto rico em água, decorrem das propriedades isolantes da crosta continental (que leva ao acúmulo de calor do manto aprisionado e descompressão da crosta), ou são devidos a instabilidades na interface entre a crosta continental e oceânica. Além disso, alguns geólogos observam que muitos processos geológicos que outros atribuem ao comportamento das plumas do manto podem ser explicados por outras forças.

Listas de referência

  1. Condie, KC (2019). Placas tectônicas: uma breve introdução. Imprensa da Universidade de Oxford.
  2. Cox, A. & Hart, RB (1986). Placas tectônicas: como funciona. Blackwell Publicações Científicas.
  3. Oreskes, N. (2003). Placas tectônicas: uma história privilegiada da teoria moderna da Terra. Imprensa Westview.
  4. Stern, RJ, & Moucha, R. (2019). Placas tectônicas e a história da Terra. John Wiley & Filhos.
  5. Torsvik, TH, & Cocks, LRM (2017). História da Terra e placas tectônicas: uma introdução à geologia histórica. Cambridge University Press.
  6. Van der Pluijm, BA, & Marshak, S. (2018). Estrutura da Terra: uma introdução à geologia estrutural e tectônica. WW Norton & Company.
  7. Wicander, R., & Monroe, JS (2019). Geologia histórica. Cengage Learning.
  8. Winchester, JA e Floyd, PA (2005). Geoquímica do magmatismo potássico continental. Sociedade Geológica da América.
  9. Ziegler, PA (1990). Atlas geológico da Europa Ocidental e Central. Shell Internacional petróleo Maatschappij BV.
Sair da versão móvel