Basalto

O basalto é um tipo de rocha vulcânica que se forma a partir da solidificação da lava derretida. É uma rocha ígnea, o que significa que é formada através do resfriamento e solidificação de magma ou lava. O basalto é um dos tipos de rocha mais comuns na Terra e pode ser encontrado em vários locais ao redor do mundo, tanto em terra quanto no fundo do oceano.

O basalto é conhecido por sua cor escura, geralmente variando do preto ao cinza escuro, e sua textura de grão fino. É composto principalmente por minerais tais como piroxeno, plagioclásio feldspato, e às vezes olivina. O basalto pode ter uma variedade de composições, mas é tipicamente rico em ferro e magnésio, e pobre em sílica.

Texturas Vesiculares e Amigdalóides
Texturas Vesiculares e Amigdalóides

O basalto possui várias propriedades únicas que o tornam útil para várias aplicações. Por exemplo, é conhecido por sua durabilidade, força e resistência ao desgaste e à erosão, tornando-o ideal para materiais de construção, como agregados rodoviários, concreto e pedras de construção. O basalto também é usado para fabricar materiais de reforço de fibra, conhecidos como fibra de basalto, que são usados ​​em uma ampla gama de aplicações, incluindo peças automotivas, componentes aeroespaciais e artigos esportivos.

Basalto também tem importante significado geológico. É um tipo de rocha comum em regiões vulcânicas e está associado à atividade vulcânica, como erupções vulcânicas e fluxos de lava. Os fluxos de lava basáltica, em particular, podem cobrir grandes áreas de terra e criar extensos planaltos de basalto, como o Columbia River Plateau nos Estados Unidos e as Deccan Traps na Índia. Esses planaltos têm impactos significativos na paisagem, ecologia e geologia locais.

Além de sua importância prática e geológica, o basalto também tem significado cultural. Tem sido usado por várias civilizações ao longo da história para ferramentas, armas e fins artísticos. O basalto também tem sido usado no folclore e na mitologia em muitas culturas ao redor do mundo.

No geral, o basalto é um tipo de rocha fascinante com uma ampla gama de propriedades e aplicações. Suas características únicas o tornam uma rocha importante em vários campos, incluindo geologia, construção, manufatura e patrimônio cultural.

Grupo: vulcânica.
Cor: cinza escuro a preto.
Textura: afanítico (pode ser porfirítico).
Conteúdo mineral: massa fundamental geralmente de piroxênio (augita), plagioclásio e olivina, possivelmente com vidro menor; se for porfirítico, os fenocristais serão qualquer um de olivina, piroxênio ou plagioclásio. Sílica (SiO 2) conteúdo – 45%-52%.

Composição: O basalto é composto principalmente por minerais como o piroxênio, feldspato plagioclásio, e às vezes olivina. Esses minerais são tipicamente de cor escura e ricos em ferro e magnésio. A composição exata do basalto pode variar dependendo do local específico e das condições de sua formação, mas geralmente contém cerca de 45-55% de sílica (SiO2), juntamente com quantidades variáveis ​​de outros elementos, como alumínio, cálcio, sódio e potássio.

Características: O basalto exibe várias propriedades características, incluindo:

  1. Cor escura: o basalto é tipicamente de cor escura, variando de preto a cinza escuro, devido ao seu alto teor de minerais de cor escura, como piroxênio e olivina.
  2. Textura de grão fino: O basalto tem uma textura de grão fino, o que significa que seus grãos minerais são geralmente pequenos e não facilmente visíveis a olho nu. Isso se deve ao rápido resfriamento da lava basáltica na superfície da Terra, que impede a formação de grandes cristais minerais.
  3. Durabilidade e resistência: o basalto é conhecido por sua durabilidade e resistência, tornando-o ideal para materiais de construção. É resistente ao desgaste, erosão e intemperismo, e pode suportar cargas pesadas e altas pressões.
  4. Alta densidade: Basalto tem uma densidade relativamente alta em comparação com muitos outros rochas, com densidade média variando de 2.7 a 3.0 gramas por centímetro cúbico. Isso a torna uma rocha pesada e densa, o que pode ter implicações em seu uso na construção e em outras aplicações.
  5. textura vesicular: Às vezes, o basalto pode exibir uma textura vesicular, o que significa que contém pequenas bolhas de gás ou vesículas que ficam presas durante a solidificação da lava. Essas vesículas podem dar ao basalto uma aparência porosa e afetar suas propriedades físicas.
  6. Ocorrência comum: O basalto é um dos tipos de rocha mais comuns na Terra e pode ser encontrado em vários locais ao redor do mundo, tanto em terra quanto no fundo do oceano. É um tipo de rocha comum em regiões vulcânicas e está associado à atividade vulcânica, como erupções vulcânicas e fluxos de lava.
  7. Características geológicas únicas: Os fluxos de lava basáltica podem criar características geológicas únicas, como planaltos de basalto, tubos de lava e juntas colunares, que são frequentemente usadas para estudos geológicos e turismo.

No geral, o basalto é uma rocha durável, densa e de cor escura com uma textura de grão fino. Sua composição e características únicas o tornam adequado para várias aplicações e tem importante significado geológico e cultural.

Ocorrência e distribuição de basalto globalmente

O basalto é um tipo de rocha comum que ocorre em muitas partes do mundo. Está associado à atividade vulcânica e pode ser encontrado em vários ambientes geológicos, tanto em terra quanto no fundo do oceano. Aqui estão algumas das principais ocorrências e distribuições de basalto globalmente:

  1. Basalto Oceânico: A maior parte do basalto da Terra é encontrada no fundo do oceano, formando a crosta oceânica. O basalto oceânico é gerado nas dorsais meso-oceânicas, onde as placas tectônicas se afastam, permitindo que o magma suba e se solidifique como lava basáltica. Este processo cria vastas áreas vulcânicas subaquáticas montanha faixas conhecidas como dorsais meso-oceânicas, como a Dorsal Meso-Atlântica e a Elevação do Pacífico Leste, onde a lava basáltica entra em erupção e se solidifica continuamente, aumentando a crosta oceânica.
  2. basalto continental: O basalto também pode ser encontrado nos continentes, normalmente associado à atividade vulcânica. Os fluxos continentais de lava basáltica podem cobrir grandes áreas de terra e criar extensos planaltos de basalto, como o planalto do rio Columbia nos Estados Unidos, as armadilhas do Deccan na Índia e as armadilhas da Sibéria na Rússia. Esses grandes planaltos basálticos são remanescentes de antigas erupções vulcânicas que ocorreram há milhões de anos.
  3. ilha de basalto: O basalto também pode ser encontrado na forma de ilhas vulcânicas, como as ilhas havaianas, que são compostas principalmente por fluxos de lava basáltica. Essas ilhas são formadas por atividade vulcânica associada a pontos quentes, que são áreas de ressurgência de magma das profundezas do manto da Terra. A lava basáltica irrompe no fundo do oceano, acumula-se com o tempo e forma ilhas vulcânicas.
  4. Rift basalto: O basalto também pode ocorrer em zonas de fendas continentais, onde a crosta terrestre está sendo separada e afinada, resultando na ressurgência do magma e na erupção da lava basáltica. Exemplos de tal basalto de fenda podem ser encontrados no Sistema de Rift da África Oriental e no Rift de Rio Grande nos Estados Unidos.
  5. Ilhas Vulcânicas e Vulcanismo Submarino: As erupções basálticas também podem ocorrer em várias ilhas vulcânicas e submarinas vulcões ao redor do mundo. Por exemplo, fluxos de lava basáltica podem ser encontrados em ilhas vulcânicas como a Islândia, os Açores e as Ilhas Galápagos, bem como em regiões vulcânicas submarinas, como a cordilheira Juan de Fuca, na costa do noroeste do Pacífico, nos Estados Unidos.

No geral, o basalto é um tipo de rocha comum que ocorre em vários ambientes geológicos ao redor do mundo. A sua ocorrência e distribuição estão intimamente relacionadas com a atividade vulcânica, tanto no fundo do oceano como em terra, e desempenha um papel significativo na geologia e geofísica dessas regiões.

basalto vesicular

Importância do basalto na geologia, geofísica e história da Terra

O basalto é uma rocha importante nos campos da geologia, geofísica e história da Terra devido às suas características únicas e ampla ocorrência. Aqui estão alguns pontos-chave sobre a importância do basalto nestes campos:

  1. Petrologia e Geoquímica: O basalto é amplamente estudado em petrologia e geoquímica, pois representa um tipo de rocha comum e bem caracterizado. Ao analisar a composição mineral e química do basalto, os geólogos podem obter informações sobre as condições de formação do magma, os processos de erupção e a evolução do manto e da crosta da Terra. As rochas basálticas também fornecem pistas importantes sobre a composição do interior da Terra e sua história geológica.
  2. Vulcanologia e Tectônica: Os fluxos e erupções de lava basáltica são importantes no estudo da vulcanologia e da tectônica. O estudo de características vulcânicas basálticas, como fluxos de lava, cones de cinzas e aberturas vulcânicas, pode fornecer informações sobre processos vulcânicos, estilos de erupção e propriedades do magma. Os fluxos de lava basáltica também podem ser usados ​​para determinar a direção e a taxa dos movimentos das placas tectônicas, pois registram a orientação do campo magnético da Terra no momento de sua formação.
  3. Geofísica e Sismologia: O basalto é significativo em geofísica e sismologia, pois forma um componente importante da crosta oceânica. O estudo das rochas basálticas e suas propriedades físicas, como densidade, velocidade sísmica e propriedades magnéticas, fornece informações sobre a estrutura e composição da crosta, manto e litosfera terrestre. Estudos sísmicos utilizando rochas basálticas também auxiliam na compreensão do comportamento de ondas sísmicas e a interpretação de terremoto dados.
  4. História da Terra: O basalto desempenha um papel crucial na reconstrução da história da Terra. Antigos fluxos e planaltos de lava basáltica, preservados no registro geológico, fornecem informações valiosas sobre atividades vulcânicas passadas, mudanças climáticas e a evolução da crosta e do manto da Terra. Por exemplo, o estudo de rochas basálticas de grandes províncias ígneas (LIPs) como Deccan Traps na Índia e Siberian Traps na Rússia ajudou a entender o momento e os impactos ambientais de grandes erupções vulcânicas na história da Terra, incluindo seu papel potencial em massa extinções.
  5. Importância Econômica: O basalto tem importância econômica significativa, pois é usado como material de construção, brita e agregado em vários projetos de infraestrutura. Sua durabilidade, força e resistência às intempéries o tornam adequado para uma ampla gama de aplicações, incluindo estradas, edifícios e lastros ferroviários.

Em resumo, o basalto é um tipo de rocha crucial na geologia, geofísica e na história da Terra, fornecendo informações valiosas sobre a composição, estrutura e história do nosso planeta. Sua ampla ocorrência e características únicas o tornam uma rocha chave para o estudo de processos vulcânicos, tectônica, geofísica e evolução da Terra, bem como para suas aplicações econômicas.

Basalto

Petrologia do Basalto

Petrologia é o ramo da geologia que estuda a origem, composição, textura e estrutura das rochas. O basalto, como um tipo de rocha comum, tem sido extensivamente estudado em petrologia para entender sua formação e características. Aqui estão alguns aspectos-chave da petrologia do basalto:

  1. Origem e Formação: O basalto é uma rocha vulcânica que se forma a partir da solidificação do magma basáltico, que é um tipo de magma rico em ferro e magnésio e pobre em sílica. O magma basáltico é gerado no manto, seja pelo derretimento parcial das rochas do manto ou pelo derretimento do manto nas dorsais ou pontos quentes do meio do oceano. O magma basáltico é normalmente irrompido na superfície da Terra através de erupções vulcânicas ou pode se intrometer em rochas existentes como rochas basálticas intrusivas. O resfriamento e a solidificação do magma basáltico resultam na formação de rochas basálticas.
  2. Composição: O basalto é uma rocha máfica, o que significa que é rico em magnésio (Mg) e ferro (Fe) e pobre em sílica (SiO2). Basalto normalmente contém minerais como feldspato plagioclásio (rico em cálcio), piroxênio (comumente augita ou outras variedades), e pequenas quantidades de olivina e magnetita. A composição mineral exata do basalto pode variar dependendo das condições geoquímicas e geotérmicas específicas durante sua formação.
  3. Textura: O basalto exibe uma textura característica de granulação fina, conhecida como textura afanítica, que é tipicamente composta de cristais microscópicos que não são visíveis a olho nu. Essa textura de grão fino é resultado do rápido resfriamento da lava basáltica na superfície da Terra, que inibe o crescimento de grandes cristais. No entanto, em alguns casos, o basalto também pode exibir uma textura porfirítica, onde cristais maiores de minerais como olivina ou plagioclásio são incorporados em uma matriz de granulação fina.
  4. Características Químicas: O basalto é caracterizado por seu teor de sílica relativamente baixo (tipicamente variando de 45-55% SiO2) e alto teor de ferro e magnésio. Essa composição química confere ao basalto sua cor escura e natureza densa. O magma basáltico também é tipicamente enriquecido em certos oligoelementos, como crômio, níquel e cobalto, que podem fornecer informações sobre os processos geoquímicos que ocorrem no manto e na crosta.
  5. Classificação: O basalto é classificado com base em sua composição mineral, textura e características químicas. Um esquema de classificação comumente usado é a classificação TAS, que categoriza as rochas basálticas em quatro tipos principais: basaltos toleíticos, alcalinos, de transição e de alta alumina, com base em seu conteúdo de sílica e álcali (sódio e potássio) e óxido de alumínio (Al2O3). . Outro esquema de classificação é o diagrama álcali-sílica total (TAS), que se baseia nos teores de álcali total (sódio + potássio) e sílica das rochas basálticas.

Em resumo, a petrologia do basalto envolve o estudo de sua origem, composição, textura e classificação. O basalto é uma rocha vulcânica máfica que se forma a partir da solidificação do magma basáltico e exibe uma textura característica de grão fino. Sua composição, textura e classificação fornecem informações sobre os processos envolvidos em sua formação e as características geoquímicas do manto e da crosta.

Rocha formando basalto
Rocha formando basalto

Mineralogia e principais minerais formadores de rocha em basalto

O basalto é uma rocha vulcânica máfica que normalmente contém vários minerais, sendo alguns minerais mais abundantes e característicos do basalto do que outros. Aqui estão os principais minerais formadores de rocha comumente encontrados no basalto:

  1. Plagioclásio Feldspato: O feldspato plagioclásio é um dos minerais mais abundantes no basalto, normalmente compreendendo 40-60% da composição da rocha. O feldspato de plagioclásio no basalto é geralmente rico em cálcio e pertence à série de minerais conhecida como a série de soluções sólidas de plagioclásio, variando de anortita rica em cálcio a albita rica em sódio. O feldspato plagioclásio é tipicamente branco a cinza claro e tem uma forma de cristal prismático.
  2. piroxênio: O piroxênio é outro mineral importante do basalto e pertence ao grupo dos minerais silicatados. O piroxênio mais comum no basalto é a augita, que é um mineral de cor escura com formato de cristal prismático. O piroxênio também pode ocorrer em outras variedades, como hiperstênio e pombonite. Os minerais piroxênios são tipicamente de cor verde escuro a preto e são importantes na determinação da textura e composição do basalto.
  3. Olivina: a olivina é um mineral comum no basalto, embora geralmente seja encontrado em quantidades menores em comparação com o feldspato plagioclásio e o piroxênio. A olivina é um mineral de silicato de ferro e magnésio e é tipicamente de cor verde oliva. A olivina pode ocorrer em diferentes variedades, como forsterita e faialita, e sua presença no basalto pode afetar a composição química e as propriedades físicas da rocha.
  4. Magnetita: A magnetita é um mineral acessório comum no basalto e é um tipo de óxido de ferro. Normalmente ocorre como pequenos grãos pretos ou cinzas e às vezes pode estar presente em quantidades significativas, contribuindo para as propriedades magnéticas do basalto.
  5. Outros minerais: O basalto também pode conter outros minerais menores, como ilmenita, apatita, e anfibólios, dependendo das condições geoquímicas e geotérmicas específicas durante a sua formação. Esses minerais podem fornecer informações adicionais sobre a origem e a história das rochas basálticas.

Em resumo, o mineralogia do basalto normalmente inclui feldspato plagioclásio, piroxênio, olivina e magnetita como principais minerais formadores de rocha. Esses minerais contribuem para a composição, textura e propriedades físicas características das rochas basálticas, e seu estudo pode fornecer informações sobre a formação e evolução do magma e das rochas basálticas.

Classificação do basalto

O basalto pode ser classificado em diferentes tipos com base em vários critérios, como composição, textura e ambiente de formação. Aqui estão algumas classificações comuns de basalto:

  1. Classificação baseada em composição:
    • Basalto toleítico: Este tipo de basalto é caracterizado por seu baixo teor de sílica (normalmente em torno de 45-52% em peso) e teor relativamente alto de ferro e magnésio. O basalto toleítico é tipicamente associado a cordilheiras mesoceânicas e ilhas oceânicas, e é o tipo mais comum de basalto encontrado na Terra.
    • basalto alcalino: Este tipo de basalto tem maior teor de sílica (normalmente em torno de 48-52% em peso) e elementos alcalinos mais elevados (sódio e potássio) em comparação com o basalto toleítico. O basalto alcalino é normalmente associado a arcos vulcânicos, zonas de rifte e configurações intraplaca.
  2. Classificação baseada em textura:
    • basalto afanítico: este tipo de basalto tem uma textura de grão fino, onde os minerais individuais não são visíveis a olho nu. Ele normalmente se forma quando o magma esfria rapidamente na superfície da Terra, como em erupções vulcânicas ou quando o magma se intromete em rochas rasas da crosta terrestre.
    • basalto porfirítico: este tipo de basalto tem uma combinação de matriz de grão fino (groundmass) e cristais visíveis maiores (fenocristais) embutidos nele. O basalto porfirítico normalmente se forma quando o magma passa por dois estágios de resfriamento, com resfriamento mais lento permitindo a formação de cristais maiores.
  3. Classificação baseada no ambiente de formação:
    • Basalto Oceânico: esse tipo de basalto se forma em ambientes oceânicos, como cordilheiras mesoceânicas, ilhas oceânicas e centros de expansão do fundo do mar. O basalto oceânico é tipicamente toleítico na composição e é caracterizado por uma textura de grão fino.
    • basalto continental: esse tipo de basalto se forma em ambientes continentais, como zonas de fenda, províncias inundadas de basalto e planaltos vulcânicos. O basalto continental pode ser basalto toleítico ou alcalino na composição e pode exibir uma variedade de texturas que variam de afanítico a porfirítico.
  4. Outra Classificação:
    • travesseiro de basalto: Este tipo de basalto forma-se debaixo de água, normalmente em erupções vulcânicas submarinas ou na base de escoadas lávicas em ambientes submarinos. O basalto em almofada é caracterizado por suas estruturas arredondadas, semelhantes a almofadas, formadas pela rápida extinção da lava na água.
    • basalto colunar: este tipo de basalto exibe um padrão único de junção colunar, onde o fluxo de lava ou dique se fratura em colunas hexagonais ou poligonais à medida que esfria e se contrai. O basalto colunar é frequentemente encontrado em regiões vulcânicas e é conhecido por sua aparência distinta e marcante.

Estas são algumas das classificações comuns de basalto com base na composição, textura e ambiente de formação. As rochas basálticas podem apresentar uma ampla gama de variações e características, tornando-as um grupo interessante e diversificado de Rochas ígneas em geologia.

O basalto tem uma definição química estrita. É definido no diagrama TAS mostrado acima. O basalto é uma rocha ígnea que contém mais de 45 e menos de 52% de SiO2 e menos de cinco por cento de álcalis totais (K2O + Na2O)3.
O basalto tem uma definição química estrita. É definido no diagrama TAS mostrado acima. O basalto é uma rocha ígnea que contém mais de 45 e menos de 52% de SiO2 e menos de cinco por cento de álcalis totais (K2O + Na2O)3.

Tipos de basalto

O basalto é uma rocha vulcânica que pode apresentar diferentes tipos ou variedades com base em vários fatores, como composição, textura e mineralogia. Alguns dos tipos comumente reconhecidos de basalto incluem:

Tipos de basalto: toleítos vs basaltos alcalinos
Tipos de basalto: toleítos vs basaltos alcalinos

basalto toleítico é relativamente rico em sílica e pobre em sódio. Incluídos nesta categoria estão a maioria dos basaltos do fundo do oceano, a maioria das grandes ilhas oceânicas e basaltos de inundação continental, como o Columbia River Plateau.

Alto e baixo titânio basaltos. As rochas basálticas são, em alguns casos, classificadas de acordo com seu teor de titânio (Ti) nas variedades de alto e baixo teor de titânio. Basaltos de alto e baixo teor de Ti foram distinguidos no Paraná e Etendeka captura ume as Armadilhas Emeishan.

Basalto da dorsal meso-oceânica (MORB) é um basalto toleítico comumente erupcionado apenas em dorsais oceânicas e é caracteristicamente baixo em elementos incompatíveis

Basalto de alta alumina pode ser subsaturado ou supersaturado de sílica (ver mineralogia normativa). Tem mais de 17% de alumina (Al2O3) e tem composição intermediária entre o basalto toleítico e o basalto alcalino; a composição relativamente rica em alumina é baseada em rochas sem fenocristais de plagioclásio.

basalto alcalino é relativamente pobre em sílica e rico em sódio. É subsaturado em sílica e pode conter feldspatóides, feldspato alcalino e flogopita.

basalto alcalino
basalto alcalino

Boninita é uma forma de basalto com alto teor de magnésio que ocorre geralmente em bacias back-arc, distinguida por seu baixo teor de titânio e composição de oligoelementos.

Textura e estrutura do basalto

A textura e a estrutura do basalto são características importantes que fornecem informações sobre a formação e a história do resfriamento da rocha. Aqui estão algumas texturas e estruturas comumente observadas no basalto:

  1. Textura Afanítica: A textura afanítica é uma textura de grão fino comumente observada em basalto. É caracterizada por pequenos grãos minerais que não são facilmente visíveis a olho nu. O basalto afanítico normalmente se forma a partir do resfriamento relativamente rápido dos fluxos de lava, seja na superfície da Terra ou como intrusões finas, o que impede a formação de grandes cristais minerais.
  2. Textura Vesicular: A textura vesicular é caracterizada pela presença de vesículas, que são pequenas cavidades ou bolhas de gás, na rocha basáltica. As vesículas se formam quando o gás fica preso no magma durante as erupções vulcânicas e depois se solidifica à medida que a lava esfria e solidifica. O basalto vesicular geralmente tem uma aparência porosa e leve devido à presença dessas vesículas, e as vesículas podem variar em tamanho e forma.
  3. textura vítrea: A textura vítrea é caracterizada por uma aparência não cristalina, semelhante a vidro em rochas basálticas. O basalto vítreo normalmente se forma quando a lava esfria muito rapidamente, impedindo a formação de cristais minerais. Geralmente é preto ou de cor escura e tem uma superfície lisa e vítrea.
  4. Junta Colunar: O entroncamento colunar é uma estrutura característica que se observa em algumas rochas basálticas, nomeadamente em espessas escoadas lávicas. Forma-se quando a lava esfria e se contrai, resultando na formação de colunas verticais ou quase verticais com formas hexagonais ou poligonais. A junção colunar é frequentemente vista em afloramentos basálticos expostos e pode criar formações geológicas únicas e marcantes.
  5. Textura Amigdaloide: A textura amigdaloide é caracterizada pela presença de amígdalas, que são cavidades arredondadas ou alongadas na rocha basáltica que são preenchidas com minerais secundários. As amígdalas se formam quando as bolhas de gás na lava são preenchidas com fluidos ricos em minerais após a solidificação da lava. O basalto amigdaloide geralmente exibe uma aparência salpicada devido às cores contrastantes dos minerais secundários que preenchem as amígdalas.
  6. Textura Porfirítica: A textura porfirítica é caracterizada pela presença de cristais minerais maiores, conhecidos como fenocristais, embutidos em uma matriz de granulação mais fina. O basalto porfirítico normalmente se forma quando a lava esfria em taxas diferentes, permitindo o crescimento de cristais maiores em um ambiente de resfriamento mais lento antes que a lava irrompa na superfície.

Estas são algumas das texturas e estruturas comuns que podem ser observadas nas rochas basálticas. A textura e a estrutura do basalto fornecem informações importantes sobre a taxa de resfriamento, o ambiente de erupção e a história de resfriamento da rocha, o que pode esclarecer os processos vulcânicos e a história geológica de uma área.

Geoquímica do Basalto

A geoquímica do basalto refere-se à composição e distribuição dos elementos químicos e minerais nas rochas basálticas. O basalto é tipicamente composto de minerais de cor escura, como piroxênio, olivina e feldspato plagioclásio, juntamente com pequenas quantidades de outros minerais, como magnetita, ilmenita e apatita. A composição química do basalto pode variar dependendo da fonte de magma, ambiente de erupção e intemperismo subsequente e alteração processos. Aqui estão alguns aspectos-chave da geoquímica do basalto:

  1. Elementos Principais: O basalto é tipicamente rico em sílica (SiO2) e contém quantidades variáveis ​​de outros elementos importantes, como alumínio (Al), ferro (Fe), cálcio (Ca), magnésio (Mg), sódio (Na) e potássio (K) . As proporções desses elementos no basalto podem variar, levando a diferentes tipos de basalto com composições químicas distintas. Por exemplo, o basalto alcalino é caracterizado por maiores proporções de sódio e potássio, enquanto o basalto toleítico é caracterizado por maiores proporções de ferro e magnésio.
  2. Vestigios: O basalto também contém oligoelementos, que estão presentes em quantidades muito menores, mas podem ter implicações geoquímicas e geológicas significativas. Esses oligoelementos podem ser usados ​​para estudar o magma de origem, processos de fusão e configurações tectônicas de rochas basálticas. Por exemplo, a presença de certos oligoelementos como cromo (Cr), níquel (Ni) e cobalto (Co) pode indicar uma fonte de manto para o basalto, enquanto a presença de elementos como zircônio (Zr) e titânio (Ti) pode fornecer informações sobre a história de cristalização do magma.
  3. Isótopos: Isótopos são variantes de um elemento que possuem diferentes números de nêutrons em seus núcleos atômicos. O basalto pode apresentar variações isotópicas em certos elementos, como oxigênio (O), estrôncio (Sr) e neodímio (Nd), que podem fornecer informações sobre a origem e evolução da fonte de magma, bem como os processos de geração e diferenciação. Estudos isotópicos de basalto podem ajudar a determinar a idade da rocha, a composição isotópica do manto de origem e o grau de fusão do manto e contaminação da crosta.
  4. Intemperismo e Alteração: O basalto pode sofrer intemperismo e processos de alteração após sua formação, o que pode resultar em alterações em sua composição química. Por exemplo, o basalto pode resistir para formar minerais de argila, e os processos de alteração podem conduzir para a formação de minerais secundários, como zeólitas, cloritas e carbonatos. Esses processos de intemperismo e alteração podem afetar as características geoquímicas do basalto e fornecer informações sobre a história geológica e as condições ambientais da área.

A geoquímica do basalto desempenha um papel crucial na compreensão da origem, evolução e significado geológico das rochas basálticas. Os estudos geoquímicos do basalto podem fornecer informações sobre a fonte do magma, processos de fusão, configurações tectônicas e condições ambientais durante e após a formação do basalto, ajudando os cientistas a desvendar a complexa história geológica da Terra.

basalto colunar
basalto colunar

Petrogênese do basalto

A petrogênese do basalto envolve os processos pelos quais as rochas basálticas são formadas e sua origem. As rochas basálticas podem ser geradas através de vários mecanismos, incluindo fusão parcial do manto, fusão da crosta inferior e cristalização fracionada do magma. Aqui estão alguns dos principais processos petrogenéticos envolvidos na formação do basalto:

  1. Derretimento parcial do manto: o basalto geralmente é derivado do derretimento parcial do manto da Terra, que é a camada sólida abaixo da crosta terrestre. O derretimento do manto pode ocorrer devido a processos como o derretimento por descompressão, que ocorre quando as rochas do manto sobem para profundidades mais rasas e a diminuição da pressão reduz o ponto de fusão da rocha. Isso pode ocorrer em limites de placas divergentes, onde as placas tectônicas se afastam, permitindo que o material do manto suba e derreta para formar o magma basáltico.
  2. Derretimento da Crosta Inferior: Outro processo que pode gerar basalto é o derretimento da crosta inferior. Isso pode ocorrer em áreas onde a crosta é espessa, como durante a formação de grandes cordilheiras vulcânicas, onde a crosta inferior pode sofrer fusão parcial devido ao alto calor e pressão. Essa crosta inferior derretida pode então subir à superfície e entrar em erupção como magma basáltico.
  3. Cristalização Fracionada: O magma basáltico pode sofrer cristalização fracionada, que é o processo em que os minerais cristalizam e se separam do derretimento à medida que esfria. Os primeiros minerais a cristalizar do magma são tipicamente feldspato plagioclásio e piroxênio ricos em cálcio, que são mais densos e se depositam no fundo da câmara de magma, deixando para trás um derretimento mais rico em sílica. Este derretimento rico em sílica pode então irromper na superfície como magma basáltico, que pode ter uma composição diferente em comparação com o magma original devido à remoção de certos minerais durante a cristalização fracionada.
  4. Assimilação e Mistura de Magma: Os magmas basálticos também podem sofrer assimilação e mistura de magma, que ocorre quando o magma interage e incorpora as rochas circundantes. Por exemplo, durante a ascensão do magma basáltico em direção à superfície da Terra, ele pode assimilar e derreter rochas circundantes, como rochas crustais ou rochas basálticas mais antigas, o que pode afetar a composição do magma. A mistura de magma também pode ocorrer quando dois ou mais magmas com composições diferentes entram em contato e se misturam, levando a um magma híbrido com características intermediárias.
  5. Heterogeneidade do Manto: O manto abaixo da crosta terrestre não é uniformemente homogêneo e pode conter várias heterogeneidades de composição, como plumas do manto, crosta oceânica subduzida e litosfera oceânica reciclada. Essas heterogeneidades do manto podem influenciar a composição e as características dos magmas basálticos derivados da fusão do manto, resultando em variações nas rochas basálticas ao redor do mundo.

A petrogênese do basalto é um processo complexo que envolve múltiplos mecanismos, incluindo fusão parcial do manto, fusão da crosta inferior, cristalização fracionada, assimilação e mistura do magma e influência das heterogeneidades do manto. O estudo da petrogênese fornece informações sobre a origem e evolução das rochas basálticas, ajudando os cientistas a entender os processos geológicos que moldam a crosta e o manto da Terra.

Almofada de basalto em Point Bonita
Almofada de basalto em Point Bonita

Significado Ambiental e Econômico do Basalto

O basalto tem vários significados ambientais e econômicos. Aqui estão alguns deles:

Significado Ambiental do Basalto:

  1. Formação do Solo: O intemperismo e a erosão do basalto podem contribuir para a formação do solo, pois libera nutrientes essenciais, como cálcio, magnésio e potássio no solo. Os solos basálticos são frequentemente férteis e podem suportar atividades agrícolas.
  2. Sequestro de carbono: O basalto tem potencial para sequestro de carbono, pois reage com o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera para formar minerais carbonáticos estáveis ​​por meio de um processo chamado carbonatação mineral. Isso pode ajudar a mitigar as mudanças climáticas, armazenando CO2 na forma sólida e reduzindo sua liberação na atmosfera.
  3. Habitat natural: As paisagens basálticas podem fornecer habitats para várias espécies de plantas e animais, incluindo flora e fauna únicas que se adaptaram às duras condições dos terrenos basálticos. Esses habitats podem ter significado ecológico e de conservação.

Importância econômica do basalto:

  1. Construção Material: O basalto é amplamente utilizado como material de construção devido à sua durabilidade, dureza e resistência às intempéries. É usado como brita para construção de estradas, lastro de ferrovias, agregados de concreto e pedras de construção. As fibras de basalto, derivadas de rochas basálticas, também são utilizadas como reforço em materiais de construção.
  2. Usos Industriais: O basalto pode ser utilizado em diversas aplicações industriais, como na fabricação de fibra de basalto, que possui excelentes propriedades mecânicas e é utilizada em compósitos, têxteis e outras aplicações de alto desempenho. O basalto também é utilizado como matéria-prima para a produção de lã de rocha basáltica, um tipo de material isolante.
  3. Turismo e Lazer: Paisagens basálticas, como colunas de basalto e fluxos de lava, podem ser atraentes para fins turísticos e recreativos. Muitos marcos famosos, como o A calçada do gigante na Irlanda do Norte e na Torre do Diabo nos Estados Unidos, são feitas de basalto e atraem turistas do mundo todo.
  4. Energia Geotérmica: As formações basálticas podem servir como reservatórios para a produção de energia geotérmica. Água quente ou vapor podem ser extraídos de rochas basálticas subterrâneas para gerar eletricidade, fornecendo uma fonte de energia renovável e limpa.

Em resumo, o basalto tem importância ambiental e econômica, variando desde seu papel na formação do solo, sequestro de carbono e habitats naturais até seus usos como materiais de construção, aplicações industriais, turismo e recreação e produção de energia geotérmica.

Staðarbjörg pequenas falésias de coluna de basalto

Resumo dos principais pontos abordados no esboço

  1. Definição, composição e características do basalto: O basalto é uma rocha vulcânica de grão fino que se forma a partir do rápido resfriamento da lava na superfície da Terra ou perto dela. É composto principalmente de minerais de cor escura, como piroxênio, plagioclásio feldspato e, às vezes, olivina. O basalto é tipicamente de cor escura, denso e tem uma textura de grão fino.
  2. Ocorrência e distribuição de basalto globalmente: O basalto é encontrado em todo o mundo e compõe uma porção significativa da crosta terrestre. É comumente associado à atividade vulcânica, como ilhas vulcânicas, cordilheiras mesoceânicas e províncias de basalto inundadas. As rochas basálticas também ocorrem em ambientes continentais, como zonas de rifte e planaltos vulcânicos.
  3. Importância do basalto na geologia, geofísica e história da Terra: O basalto desempenha um papel crucial na compreensão da geologia, geofísica e história da Terra. Ele fornece informações sobre processos vulcânicos, placas tectônicas, e a composição e evolução do manto da Terra. As rochas basálticas também preservam informações importantes sobre as condições ambientais do passado e as mudanças climáticas.
  4. Petrologia do basalto: O basalto possui uma petrologia específica caracterizada por sua composição mineral, textura e estrutura. Ele normalmente contém minerais como piroxênio, feldspato plagioclásio e olivina, e pode ter várias texturas e estruturas, como articulação vesicular, amigdaloide e colunar.
  5. Mineralogia e principais minerais formadores de rocha em basalto: o basalto é composto principalmente de minerais de cor escura, incluindo piroxênio, plagioclásio feldspato e, às vezes, olivina. Esses minerais são os principais minerais formadores de rocha no basalto e contribuem para sua composição e textura características.
  6. tipos de basalto: O basalto pode ser classificado em diferentes tipos com base em vários critérios, como mineralogia, textura e características geoquímicas. Tipos comuns de basalto incluem basalto toleítico, basalto alcalino e basalto de transição, entre outros.
  7. Textura e estrutura do basalto: O basalto pode apresentar diversas texturas e estruturas, dependendo de suas condições de formação e histórico de resfriamento. A textura refere-se ao tamanho e disposição dos grãos minerais na rocha, enquanto a estrutura refere-se à forma geral e à disposição da massa rochosa, como junção colunar, textura vesicular e faixas de fluxo.
  8. Geoquímica do basalto: O basalto possui uma composição geoquímica única que reflete sua origem e evolução. As rochas basálticas são tipicamente caracterizadas por baixo teor de sílica, alto teor de ferro e magnésio e enriquecimento em certos oligoelementos. A análise geoquímica do basalto pode fornecer informações sobre sua fonte, composição do magma e configuração tectônica.
  9. Petrogênese do basalto: A petrogênese do basalto envolve os processos de geração, transporte e colocação de magma. Os magmas basálticos podem se formar através do derretimento parcial do manto da Terra, ou pelo derretimento da crosta inferior ou subducção da crosta oceânica. A composição e as características do basalto são influenciadas por esses processos petrogenéticos.
  10. Classificação do basalto: O basalto pode ser classificado em diferentes tipos com base em vários critérios, como mineralogia, textura e características geoquímicas. Esquemas de classificação, como o diagrama TAS, são usados ​​para classificar rochas basálticas em diferentes grupos, fornecendo informações sobre sua petrogênese e configuração tectônica.
  11. Importância ambiental e econômica do basalto: O basalto tem vários significados ambientais e econômicos. Pode contribuir para a formação do solo, servir como reservatório para o sequestro de carbono
Basalto, Islândia

Perguntas frequentes sobre basalto

P: O que é basalto?

R: O basalto é uma rocha vulcânica de grão fino que se forma a partir do rápido resfriamento da lava na superfície da Terra ou perto dela. É composto principalmente de minerais de cor escura, como piroxênio, feldspato plagioclásio e, às vezes, olivina. O basalto é tipicamente de cor escura, denso e tem uma textura de grão fino.

P: Onde é encontrado o basalto?

R: O basalto é encontrado em todo o mundo e compõe uma porção significativa da crosta terrestre. É comumente associado à atividade vulcânica, como ilhas vulcânicas, cordilheiras mesoceânicas e províncias de basalto inundadas. As rochas basálticas também ocorrem em ambientes continentais, como zonas de rifte e planaltos vulcânicos.

P: Quais são os principais minerais do basalto?

R: Os principais minerais do basalto são piroxênio, plagioclásio feldspato e, às vezes, olivina. Esses minerais compõem a maior parte da composição da rocha e contribuem para sua textura e aparência características.

P: Quais são os tipos de basalto?

R: O basalto pode ser classificado em diferentes tipos com base em vários critérios, como mineralogia, textura e características geoquímicas. Tipos comuns de basalto incluem basalto toleítico, basalto alcalino e basalto de transição, entre outros.

P: Qual é a petrogênese do basalto?

R: A petrogênese do basalto envolve os processos de geração, transporte e colocação do magma. Os magmas basálticos podem se formar através do derretimento parcial do manto da Terra, ou pelo derretimento da crosta inferior ou subducção da crosta oceânica. A composição e as características do basalto são influenciadas por esses processos petrogenéticos.

P: Qual é a geoquímica do basalto?

R: O basalto tem uma composição geoquímica única que reflete sua origem e evolução. As rochas basálticas são tipicamente caracterizadas por baixo teor de sílica, alto teor de ferro e magnésio e enriquecimento em certos oligoelementos. A análise geoquímica do basalto pode fornecer informações sobre sua fonte, composição do magma e configuração tectônica.

P: Qual é a importância do basalto na geologia e na história da Terra?

R: O basalto desempenha um papel crucial na compreensão da geologia, geofísica e história da Terra. Ele fornece informações sobre processos vulcânicos, placas tectônicas e a composição e evolução do manto da Terra. As rochas basálticas também preservam informações importantes sobre as condições ambientais do passado e as mudanças climáticas.

P: Quais são os significados econômicos e ambientais do basalto?

R: O basalto tem vários significados econômicos e ambientais. Pode ser usado como matéria-prima para construção, construção de estradas e como pedra decorativa. O basalto também pode contribuir para a formação do solo e servir como reservatório para o sequestro de carbono. No entanto, sua extração e uso também podem ter impactos ambientais, como destruição de habitats e perturbação do ecossistema. Práticas adequadas de gestão e sustentabilidade são importantes para mitigar esses impactos.

Referências

  • Le Maitre, RW (2005). Rochas ígneas: uma classificação e glossário de termos: recomendações da subcomissão da União Internacional de Ciências geológicas sobre a sistemática de rochas ígneas, 2ª edição. Cambridge University Press.
  • Ronald Louis Bonewitz, (2012) NATURE GUIDE AND MINERALS, Smithsonian NATURE GUIDE, LONDRES, NOVA YORK, MELBOURNE, MUNIQUE E DELI
  • Sandatlas.org. (2019). Basalto – Rochas ígneas. [online] Disponível em: https://www.sandatlas.org/basalt/ [Acessado em 4 de março de 2019].