O que é alteração?

Alteração refere-se a uma mudança nas propriedades físicas ou químicas de rochas e minerais. Em geologia, alteração é um termo comum usado para descrever a transformação de rochas e minerais devido a vários processos geológicos, como intemperismo, metamorfismo e atividade hidrotermal.

Por exemplo, a alteração hidrotermal ocorre quando fluidos quentes e ricos em minerais interagem com rochas e minerais, fazendo com que mudem em termos de composição mineral, textura e estrutura. A alteração de rochas e minerais pode resultar na formação de novos minerais e, em alguns casos, na concentração de minerais valiosos, como ouro e prata.

Em geral, entender a extensão e a natureza da alteração é importante para a exploração e mineração mineral, pois fornece informações sobre a localização e o tipo de minerais presentes em uma área e pode ajudar geólogos e mineradores a direcionar áreas para exploração e extração.

Zonas de alteração hidrotermais associadas ao pórfiro cobre depositar 

A alteração hidrotermal é um processo geológico que ocorre quando fluidos quentes e ricos em minerais interagem com rochas e minerais, alterando suas propriedades físicas e químicas. Essa interação pode conduzir à formação de novos minerais e à alteração dos minerais existentes, o que pode resultar na formação de depósitos minerais, incluindo aqueles que contêm metais como cobre, ouro e prata.

A alteração hidrotermal pode ocorrer em uma variedade de configurações geológicas, como ambientes vulcânicos, fontes termais e sistemas geotérmicos. Os fluidos envolvidos na alteração hidrotermal podem ser derivados do magma ou de outras fontes profundas e podem transportar metais e minerais dissolvidos à medida que se movem pela crosta terrestre.

A extensão e a natureza da alteração hidrotermal são importantes para a exploração e mineração mineral, pois fornecem informações valiosas sobre a localização e o tipo de minerais presentes em uma área. Ao compreender os processos geológicos que levaram à formação de minerais depósitos, geólogos e mineradores podem direcionar melhor as áreas para exploração e extração.

Importância da Alteração Hidrotermal e Exploração Mineral

A alteração hidrotermal é importante na exploração e mineração mineral porque pode fornecer informações valiosas sobre a localização e o tipo de minerais presentes em uma área. Ao compreender os processos geológicos que levaram à formação de depósitos minerais, geólogos e mineradores podem direcionar melhor as áreas para exploração e extração.

Por exemplo, a alteração hidrotermal pode resultar na formação de novos minerais e na concentração de minerais valiosos, como ouro e prata. A extensão e a natureza da alteração hidrotermal podem indicar a presença de depósitos minerais e podem fornecer informações sobre o processo de mineralização e as condições que existiam no momento da formação mineral.

Além disso, a alteração hidrotermal também pode afetar as propriedades físicas e químicas de rochas e minerais, tornando-os mais fáceis ou difíceis de extrair. Ao entender a extensão e a natureza da alteração, os mineradores podem desenvolver métodos de extração mais eficazes e minimizar o impacto da mineração no meio ambiente.

Em resumo, a importância da alteração hidrotermal na exploração mineral e mineração reside em sua capacidade de fornecer informações valiosas sobre a localização, tipo e características dos depósitos minerais e informar estratégias eficazes de exploração e extração.

  • Recurso de hidrotermal depósitos de minério
  • Relaciona-se com o tipo de depósito-ambiente
  • Fornece halo ao redor do alvo
  • Vetores para a mineralização

Indicação do tamanho/intensidade do sistema, pode equivaler a potencial A extensão da área da alteração pode variar consideravelmente, às vezes limitando-se a alguns centímetros de cada lado de uma veia, outras vezes formando um halo espesso ao redor de um corpo de minério

Controles de alteração

Existem vários fatores que controlam a extensão e a natureza da alteração hidrotermal. Alguns dos principais controles incluem:

  1. Temperatura: A temperatura do fluidos hidrotermais desempenha um papel importante na determinação da extensão e natureza da alteração. Temperaturas mais altas resultam em alterações mais intensas, enquanto temperaturas mais baixas resultam em alterações menos intensas.
  2. Composição do fluido: A composição dos fluidos hidrotermais também pode influenciar a extensão e a natureza da alteração. Diferentes minerais se formarão dependendo da composição dos fluidos, por isso é importante entender a composição dos fluidos para prever a natureza da alteração.
  3. Pressão: A pressão dos fluidos hidrotermais pode afetar a extensão e a natureza da alteração. Pressões mais altas podem resultar em alterações mais intensas, enquanto pressões mais baixas podem resultar em alterações menos intensas.
  4. Fluxo de fluido: O fluxo de fluidos hidrotermais através da rocha é outro fator importante que controla a extensão e a natureza da alteração. Fluxo de fluido mais rápido pode resultar em alteração mais intensa, enquanto fluxo de fluido mais lento pode resultar em alteração menos intensa.
  5. Rocha hospedeira: O tipo de rocha hospedeira também pode afetar a extensão e a natureza da alteração. Diferentes tipos de rochas podem ter diferentes permeabilidades, e a permeabilidade da rocha influenciará a taxa e a extensão do fluxo de fluido e, portanto, a natureza da alteração.
  6. Tempo: A duração do fluxo de fluido hidrotérmico também pode desempenhar um papel na extensão e na natureza da alteração. Com o tempo, alterações mais intensas podem ocorrer se o fluxo do fluido for sustentado.

Ao compreender os controles da alteração hidrotermal, geólogos e mineradores podem prever melhor a extensão e a natureza da alteração e, portanto, a localização e o tipo de depósitos minerais.

intensidade da alteração

A intensidade da alteração refere-se ao grau em que a rocha hospedeira foi alterada por interações de fluidos hidrotermais. É uma medida da extensão da substituição mineral, crescimento mineral e dissolução mineral que ocorreu dentro da rocha. Alta intensidade de alteração indica um evento de alteração mais extenso, enquanto baixa intensidade de alteração sugere um evento de alteração mais limitado ou superficial. A intensidade da alteração pode ser um fator importante na determinação do potencial de mineralização e do tipo de depósito que pode ter se formado. Na exploração mineral, a intensidade da alteração é geralmente avaliada com base na abundância e distribuição dos minerais de alteração, no grau de homogeneização ou zoneamento dentro da rocha alterada e no volume total da rocha alterada em comparação com a rocha inalterada. A intensidade da alteração também pode variar dentro de um único sistema hidrotérmico, com algumas partes do sistema experimentando maior intensidade de alteração do que outras.

Tipos de alterações

Existem vários tipos de alteração hidrotermal que podem ocorrer em sistemas geológicos, incluindo:

  1. Alteração propilítica: caracterizada pela formação de minerais como clorita, epídoto e sericita.
  2. Alteração fílica: caracterizada pela formação de minerais como moscovita, caulinita, e sericita.
  3. Alteração argílica: caracterizada pela formação de minerais como caulinita, haloisita e dickita.
  4. Alteração silícica: caracterizada pela formação de minerais como quartzo, sílica e calcedônia.
  5. Alteração argílica avançada: caracterizada pela formação de minerais como pirofilita, diásporo, e caulinita.
  6. Alteração potássica: caracterizada pela formação de minerais como K-feldspato e biotita.
  7. Alteração sódica: caracterizada pela formação de minerais como albita e nefelina.

O tipo específico de alteração que ocorre pode ser influenciado por vários fatores, incluindo a composição química do fluido, as condições de temperatura e pressão, a composição da rocha hospedeira e a duração e intensidade da interação fluido-rocha. Compreender o tipo de alteração que ocorreu pode ser importante na exploração mineral, pois pode fornecer pistas sobre a natureza do sistema hidrotermal e o tipo de mineralização que pode estar presente.

alteração propilítica

A: Alteração propilítica em rochas hospedeiras adjacentes ao corpo de minério, e B: Exposição superficial de alteração argílica no depósito Sarab-3 (vista para o norte) Estudos de mineralogia e microssonda eletrônica de magnetita no Sarab-3 ferro Depósito de minério, a sudoeste da região de mineração de Shahrak (leste de Takab) – Figura científica no ResearchGate. Disponível em: https://www.researchgate.net/figure/A-Propylitic-alteration-in-host-rocks-adjacent-to-the-ore-body-and-B-Surface-exposure_fig1_329865470 [acessado em 31 de março de 2023 ]

A alteração propilítica é um tipo de alteração hidrotermal que ocorre em rochas vulcânicas e plutônicas. É caracterizada pela alteração de minerais primários, como feldspato e quartzo, a minerais secundários, como clorita, epidoto e sericita. A alteração propilítica ocorre tipicamente em temperaturas mais baixas (menos de 200°C) e envolve a introdução de íons de hidrogênio e outros elementos na rocha. Este tipo de alteração está frequentemente associado à formação de depósitos de cobre e ouro e é um importante indicador de potencial mineralização. Na exploração mineral, a alteração propilítica pode ser usada como um guia para ajudar a identificar áreas com maior probabilidade de abrigar depósitos minerais.

alteração fílica

(A) Alteração fílica granito (esfumaçado); (B) Granito microclinizado (Salame) mostrando a associação entre cristais de feldspato potássico e grãos de quartzo leitoso. Araújo Castro Lopes, Adriana & Moura, Márcia. (2019). Jazida de Ouro Estilo Pórfiro Paleoproterozóico Tocantinzinho, Província Mineral do Tapajós (Brasil): Geologia, Petrologia e evidências de inclusão de fluidos para processos de formação de minério. Minerais. 9. 29. 10.3390/min9010029.

A alteração fílica é um tipo de alteração hidrotermal que ocorre em temperaturas mais altas (normalmente entre 200°C e 400°C) e é caracterizada pela alteração de minerais primários em minerais secundários, como moscovita, caulinita e sericita. Ao contrário da alteração propilítica, a alteração fílica normalmente envolve a remoção da maioria dos minerais primários originais e sua substituição por minerais secundários. Este tipo de alteração está frequentemente associado à formação de depósitos de cobre e ouro pórfiro e é um importante indicador de potencial mineralização. Na exploração mineral, a alteração fílica pode ser usada como um guia para ajudar a identificar áreas com maior probabilidade de abrigar depósitos minerais.

alteração argílica

Alteração da zona argílica de veios hidrotermais (Orphan Boy Mine, Butte, Montana, EUA) James São João (flickr. com)

A alteração argílica é um tipo de alteração hidrotermal que ocorre em temperaturas ainda mais elevadas (normalmente superiores a 400°C) e é caracterizada pela formação de minerais de argila, Tais como analfabeta e caulinita, da alteração de minerais primários como feldspato e quartzo. A alteração argílica ocorre tipicamente nos níveis superiores de um sistema hidrotermal, acima da zona de alteração fílica, e está frequentemente associada a depósitos de cobre pórfiro e ouro. Além da formação de minerais de argila, a alteração argílica também pode resultar na formação de minerais de sílica, como quartzo e calcedônia, e no enriquecimento de certos elementos, como ouro, prata e molibdênio. A presença de alteração argílica é um importante indicador do potencial de mineralização, e é freqüentemente usado na exploração mineral para ajudar a identificar áreas com maior probabilidade de abrigar depósitos minerais.

alteração silícica

Fotomicrografias de (a & b) alteração silícica, (c & d) zona de alteração sericita-ilita, (e & f) zona de alteração propilítica. Abreviaturas: calcite (Cal), quartzo (Qtz), adulária (Adl), sericita (Ser), ilita (Ilt), epidoto (Epi), clorita (Chl) e mineral opaco (Opq). 

Tay Zar, Aung & Warmada, Iwayan & Setijadji, Lucas & Watanabe, Koichiro. (2017). Características Geoquímicas do Depósito de Ouro Hospedado em Rocha Metamórfica na Área de Onzon-Kanbani, Central Myanmar. Revista de Geociência, Engenharia, Meio Ambiente e Tecnologia. 2. 191. 10.24273/jgeet.2017.2.3.410.

A alteração silícica é um tipo de alteração hidrotermal que resulta na formação de minerais de sílica, como quartzo e calcedônia. Ocorre em temperaturas ainda mais altas (normalmente maiores que 500°C) do que a alteração argílica e é tipicamente encontrada nos níveis mais altos de um sistema hidrotérmico. A alteração silícica é frequentemente associada a depósitos de cobre pórfiro e ouro, bem como a outros tipos de depósitos minerais. A formação de minerais de sílica durante a alteração silícica resulta na destruição de minerais primários, como o feldspato, e na criação de uma rocha mais rica em sílica. A presença de alteração silícica é um importante indicador de um sistema hidrotérmico e é freqüentemente usado na exploração mineral para ajudar a identificar áreas com maior probabilidade de abrigar depósitos minerais.

Alteração argílica avançada

A alteração argílica avançada é um tipo de alteração hidrotermal que resulta na formação de minerais argilosos, como caulinita e dickita. É tipicamente encontrado nos níveis mais profundos de um sistema hidrotérmico e ocorre em temperaturas mais altas do que a alteração propilítica. A alteração argílica avançada é caracterizada pela destruição de minerais primários, como feldspato e mica, e a formação de minerais de argila. A presença de alteração argílica avançada é freqüentemente usada como indicador de um depósito mineral, particularmente no caso de depósitos de ouro e cobre pórfiro. Os minerais de argila formados durante a alteração argílica avançada também podem servir de hospedeiro para outros minerais, como ouro e cobre, tornando a zona de alteração um alvo potencial para exploração.

Alteração potássica ou alteração do silicato de potássio

A alteração potássica é um tipo de alteração hidrotermal que resulta na formação de minerais ricos em potássio, como ortoclásio, sanidine e microcline. Este tipo de alteração está tipicamente associado a depósitos de cobre pórfiro e ouro e é considerado um importante indicador de mineralização. A alteração potássica ocorre em temperaturas intermediárias a altas e é caracterizada pela substituição de minerais primários, como plagioclásio e biotita, por minerais ricos em potássio. A alteração potássica também pode resultar na formação de biotita e moscovita, importantes indicadores da intensidade da alteração. Os minerais ricos em potássio formados durante a alteração potássica também podem servir de hospedeiro para outros minerais, como molibdênio e ouro, tornando a zona de alteração um alvo potencial para exploração. O estilo e a intensidade da alteração potássica podem variar muito, dependendo do ambiente geológico específico e das condições hidrotermais.

https://www.researchgate.net/profile/Nasser_Madani/publication/272160686/figure/fig3/AS:391888684240901@1470444951346/a-Thin-section-of-potassic-alteration-and-silicified-vein-in-diorite-with-opaque-minerals.png

alteração sódica

Fotos de afloramento (a) e laje (b) de quartzo alterado sódico-cálcico monzonita em Cherry Creek. A faixa branca no afloramento é um dique aplito, vários dos quais flanqueados por alteração sódico-cálcica – Freedman, David. (2018). Geologia Ígnea e Hidrotérmica da Cordilheira Central Cherry Creek, Condado de White Pine, Nevada.

A alteração sódica refere-se ao tipo de alteração hidrotermal que resulta da introdução de sódio na rocha hospedeira. Esse tipo de alteração é tipicamente caracterizado pela presença de minerais como albita, feldspato potássico e sanidina. A alteração sódica está frequentemente associada a depósitos de cobre pórfiro e é frequentemente acompanhada por outros tipos de alteração, como alteração fílica e argílica. O estilo e a intensidade da alteração sódica podem fornecer informações importantes para a exploração mineral e a compreensão dos processos de mineralização ocorridos durante a formação do minério.