Os diamantes são uma das pedras preciosas mais preciosas e valiosas do mundo, conhecidos por sua excepcional dureza, brilho e durabilidade. Eles são formados nas profundezas da Terra ao longo de milhões de anos sob intenso calor e pressão, e são normalmente encontrados em kimberlito tubos ou aluviais depósitos.

A importância dos diamantes está em seu uso generalizado em vários setores. Na indústria joalheira, os diamantes são altamente valorizados por sua beleza e raridade e são usados ​​para criar peças impressionantes de joias de alta qualidade. O valor de um diamante é determinado pelos famosos “4 Cs” – quilates, cor, clareza e corte.

Os diamantes também são amplamente utilizados no setor industrial por suas propriedades físicas únicas, como dureza extrema e condutividade térmica. Eles são usados ​​em ferramentas de corte, abrasivos de polimento e como dissipadores de calor em dispositivos eletrônicos.

Além de seus usos estéticos e industriais, os diamantes também desempenharam um papel significativo no setor financeiro. O comércio e investimento em diamantes é uma indústria multibilionária, com grandes centros de diamantes localizados em cidades como Antuérpia, Dubai e Mumbai.

No geral, os diamantes são altamente valorizados e importantes em vários setores, tornando-os uma parte crucial da economia global.

Associação: Forsterita, flogopita, piropo, diopside, ilmenita (kimberlito tubos); ilmenita, granada, rutilo, Brookite, anatase, hematita, magnetita, turmalina, ouro, zircão, topázio (colocadores).

Explicação de como os diamantes são formados

Os diamantes são formados nas profundezas do manto da Terra, aproximadamente 140-190 quilômetros abaixo da superfície da Terra. A formação de diamantes é um processo complexo que requer condições específicas de pressão, temperatura e composição química.

Os diamantes são formados a partir de átomos de carbono submetidos a intenso calor e pressão. A alta pressão é tipicamente gerada pelo peso da rocha e sedimento sobrejacente, e a alta temperatura é causada pelo calor interno da Terra.

O processo de formação do diamante começa quando materiais ricos em carbono, como matéria orgânica ou dióxido de carbono, são submetidos a altas pressões e temperaturas. Isso faz com que os átomos de carbono se unam em uma estrutura cristalina, formando cristais de diamante.

Esses cristais de diamante são então transportados para a superfície da Terra por meio de erupções vulcânicas. Os diamantes são carregados em magma vulcânico, que esfria e solidifica para formar Rochas ígneas. Estes rochas, chamados kimberlitos ou lamproitos, contêm diamantes em sua forma bruta.

Além das erupções vulcânicas, os diamantes também podem ser trazidos à superfície por erosão e intemperismo de tubos de kimberlito existentes ou depósitos aluviais. Com o tempo, esses processos expõem as rochas com diamantes e as tornam acessíveis para mineração.

No geral, a formação de diamantes é um processo complexo que ocorre ao longo de milhões de anos nas profundezas do manto da Terra. Os diamantes resultantes são altamente valorizados por sua raridade, beleza e durabilidade, tornando-os uma das pedras preciosas mais preciosas e procuradas do mundo.

O cenário geológico da formação de diamantes

Os diamantes são formados nas profundezas do manto da Terra sob condições geológicas específicas. A configuração geológica para a formação de diamantes é tipicamente associada a regiões do manto da Terra que sofreram altas pressões e temperaturas por longos períodos de tempo.

Os diamantes são comumente encontrados em duas configurações geológicas: tubos de kimberlito e depósitos aluviais. Os tubos Kimberlite são estruturas cilíndricas verticais que se originam do manto da Terra e se estendem pela crosta terrestre. Esses tubos são formados quando o magma e outros materiais do manto sobem à superfície por meio de erupções vulcânicas. O magma contém diamantes que foram formados nas profundezas do manto da Terra. Com o tempo, os tubos de kimberlito erodem e liberam diamantes, que ficam disponíveis para mineração.

Os depósitos aluviais, por outro lado, são formados a partir da erosão e intemperismo dos tubos de kimberlito existentes. Com o tempo, o material dos canos é transportado pela água ou outros processos naturais para rios, córregos ou costas oceânicas próximas. À medida que o material assenta, o pesado minerais, incluindo diamantes, concentram-se em depósitos aluviais.

As condições geológicas necessárias para a formação do diamante incluem alta pressão, alta temperatura e uma fonte de carbono. A alta pressão é tipicamente gerada pelo peso da rocha e sedimento sobrejacente, e a alta temperatura é causada pelo calor interno da Terra. A fonte de carbono pode vir de matéria orgânica ou dióxido de carbono.

No geral, o cenário geológico para a formação de diamantes é complexo e requer condições específicas. Os diamantes resultantes são altamente valorizados por sua raridade e beleza, tornando-os uma das pedras preciosas mais procuradas do mundo.

O processo de formação do diamante

O processo de formação do diamante é complexo e demorado, ocorrendo nas profundezas do manto da Terra. A formação de diamantes requer condições específicas de pressão, temperatura e composição química.

O processo começa com a presença de materiais ricos em carbono, como matéria orgânica ou dióxido de carbono, que são submetidos a altas pressões e temperaturas nas profundezas do manto terrestre. A alta pressão é tipicamente gerada pelo peso da rocha e sedimento sobrejacente, e a alta temperatura é causada pelo calor interno da Terra.

Sob essas condições extremas, os átomos de carbono dentro dos materiais se unem em uma estrutura cristalina, formando cristais de diamante. Esses cristais podem levar milhões ou até bilhões de anos para se formar.

Uma vez formados, os diamantes podem ser transportados para a superfície da Terra por meio de erupções vulcânicas. Os diamantes são carregados em magma vulcânico, que esfria e solidifica para formar rochas ígneas. Essas rochas, chamadas kimberlitos ou lamproitos, contêm diamantes em sua forma bruta.

Em alguns casos, os diamantes também podem ser trazidos à superfície através da erosão e intemperismo de tubos de kimberlito existentes ou depósitos aluviais. Com o tempo, esses processos expõem as rochas com diamantes e as tornam acessíveis para mineração.

No geral, o processo de formação de diamantes é complexo e ocorre ao longo de milhões ou mesmo bilhões de anos sob condições geológicas específicas. Os diamantes resultantes são altamente valorizados por sua raridade, beleza e durabilidade, tornando-os uma das pedras preciosas mais preciosas e procuradas do mundo.

Os dois processos primários pelos quais os diamantes são formados

Existem dois processos primários pelos quais os diamantes são formados: o processo do manto e o processo de subducção.

  1. processo de manto: Este é o processo mais comum de formação de diamantes. Os diamantes se formam nas profundezas do manto da Terra, aproximadamente 140-190 quilômetros abaixo da superfície da Terra, sob alta pressão e temperatura. A alta pressão é tipicamente gerada pelo peso da rocha e sedimento sobrejacente, e a alta temperatura é causada pelo calor interno da Terra. Sob essas condições extremas, os átomos de carbono se unem em uma estrutura cristalina, formando cristais de diamante. Esses cristais de diamante são então transportados para a superfície da Terra por meio de erupções vulcânicas e são encontrados em tubos de kimberlito ou lamproitos.
  2. processo de subducção: Este processo envolve a reciclagem da crosta oceânica no manto da Terra através do processo de subducção, onde uma placa tectônica é forçada sob outra. Durante este processo, o material rico em carbono da placa de subducção pode ser incorporado ao manto. Sob alta pressão e temperatura, este material pode formar cristais de diamante. Os diamantes formados dessa maneira são normalmente encontrados na forma de cristais microscópicos dentro de rochas que são trazidas à superfície da Terra por meio de erupções vulcânicas.

Ambos os processos podem resultar na formação de diamantes, mas o processo do manto é muito mais comum e produz a grande maioria dos diamantes do mundo.

O papel da pressão e da temperatura na formação do diamante

O papel da pressão e da temperatura é crucial na formação dos diamantes. Os diamantes são formados nas profundezas do manto da Terra, onde a pressão e a temperatura são extremamente altas. As condições necessárias para a formação do diamante incluem alta pressão, alta temperatura e uma fonte de carbono.

A pressão é uma medida da força exercida sobre um objeto por unidade de área. No manto, a pressão pode chegar a 725,000 libras por polegada quadrada (50,000 atmosferas), o que é mais de 120,000 vezes a pressão atmosférica ao nível do mar. A alta pressão no manto faz com que os átomos de carbono se unam em uma estrutura cristalina, formando cristais de diamante.

A temperatura também é um fator importante na formação do diamante. A temperatura do manto pode atingir até 2,200 graus Celsius (3,992 graus Fahrenheit). A alta temperatura faz com que os átomos de carbono se tornem mais móveis e permite que eles se unam para formar cristais de diamante.

A combinação de alta pressão e alta temperatura cria um ambiente estável para a formação do diamante. Os átomos de carbono podem se unir em uma estrutura bem compactada, formando uma rede cristalina. Essa estrutura de treliça é o que dá aos diamantes suas propriedades físicas e químicas únicas, como dureza extrema, alta condutividade térmica e alto índice de refração.

No geral, o papel da pressão e da temperatura na formação do diamante é crítico. Sem as condições extremas encontradas nas profundezas do manto da Terra, os diamantes não se formariam. Os diamantes resultantes são altamente valorizados por sua raridade e beleza, tornando-os uma das pedras preciosas mais preciosas e procuradas do mundo.

O processo de cristalização e crescimento do diamante

A cristalização e o crescimento do diamante é um processo complexo que ocorre sob condições de alta pressão e alta temperatura nas profundezas do manto da Terra. O processo pode levar milhões de anos para ser concluído e envolve as seguintes etapas:

  1. Nucleação: A formação do diamante começa com a nucleação dos cristais de diamante. Isso ocorre quando os átomos de carbono no manto se unem e se ligam em uma estrutura cristalina. O processo de nucleação é aleatório e pode ocorrer em qualquer lugar do manto onde as condições sejam adequadas para a formação de diamantes.
  2. Growth: uma vez formado um núcleo de diamante, ele começa a crescer à medida que átomos de carbono adicionais são adicionados à rede cristalina. Os átomos de carbono são transportados para o crescente cristal de diamante através do manto pelo movimento de fluidos ou rocha fundida. À medida que o diamante cresce, ele se torna maior e mais complexo, com átomos de carbono adicionais se ligando à rede cristalina existente.
  3. transporte de manto: uma vez que o diamante atinge um determinado tamanho, ele pode ser transportado para a superfície da Terra por meio de erupções vulcânicas. Os diamantes são carregados em magma vulcânico, que esfria e solidifica para formar rochas ígneas. Essas rochas, chamadas kimberlitos ou lamproitos, contêm diamantes em sua forma bruta.
  4. Intemperismo e erosão: Com o tempo, as rochas com diamantes são expostas à superfície por intemperismo e erosão. Os diamantes são então extraídos através da mineração e processados ​​para serem vendidos como pedras preciosas.

A taxa de crescimento dos diamantes é muito lenta, normalmente apenas alguns micrômetros por ano. Essa lenta taxa de crescimento se deve à baixa concentração de carbono no manto e à dificuldade de transportar carbono para o crescente cristal de diamante. Os diamantes resultantes são altamente valorizados por sua raridade e beleza, tornando-os uma das pedras preciosas mais preciosas e procuradas do mundo.

Propriedades Químicas do Diamante

O diamante é um mineral natural composto de átomos de carbono dispostos em uma estrutura de rede cristalina. Como resultado, possui uma série de propriedades químicas únicas, incluindo:

  1. Dureza: O diamante é a substância natural mais dura conhecida, com uma classificação de 10 na escala de dureza de Mohs. Isso significa que não pode ser riscado ou danificado por nenhum outro material, exceto outro diamante.
  2. Alto ponto de fusão: o diamante tem um ponto de fusão muito alto de cerca de 3,500 graus Celsius, tornando-o extremamente resistente ao calor e ao choque térmico.
  3. Estabilidade química: O diamante é extremamente estável quimicamente e não reage com a maioria das substâncias, incluindo ácidos e bases. Esta propriedade o torna um material ideal para uso em ambientes agressivos ou corrosivos.
  4. Baixa reatividade: o diamante é um mau condutor de eletricidade e calor e não reage com muitos outros elementos ou compostos.
  5. Refratividade: o diamante tem um alto índice de refração, o que significa que ele curva e retarda a luz mais do que a maioria dos outros materiais. Essa propriedade confere ao diamante seu brilho e brilho característicos.
  6. Teor de carbono: O diamante é composto quase inteiramente de carbono, com vestígios de outros elementos, como nitrogênio e borónico. Esse alto teor de carbono confere ao diamante suas propriedades únicas e o torna uma das pedras preciosas mais valiosas e procuradas do mundo.

No geral, as propriedades químicas únicas do diamante o tornam um material valioso para uma ampla gama de aplicações industriais e comerciais, incluindo ferramentas de corte e polimento, eletrônicos, joias e pesquisas científicas.

Propriedades físicas do diamante

Cor Incolor, amarelo pálido a amarelo profundo, marrom, branco, branco azulado; menos comumente em laranjas, rosas, verdes, azuis, vermelhos, cinza a preto.
Risca Incolor
Brilho Adamantino a gorduroso
Transparência Transparente, translúcido, opaco
Decote 111 perfeito em quatro direções
Diafaneidade Transparente para subtransparente para translúcido
Dureza de Mohs 10
Gravidade específica 3.52 0.01 ±
Propriedades de diagnóstico Dureza, condutividade térmica, forma cristalina, índice de refração, dispersão.
Sistema Cristal Isométrica
Tenacidade Frágil
Fraturar Irregular/Desigual
Densidade 3.5 – 3.53 g/cm3 (medido) 3.515 g/cm3 (calculado)

Propriedades ópticas do diamante

O diamante possui uma série de características únicas propriedades ópticas que a tornam uma das pedras preciosas mais valiosas do mundo. Algumas dessas propriedades incluem:

  1. Brilho: o diamante tem um alto índice de refração, o que significa que ele curva e retarda a luz mais do que a maioria dos outros materiais. Essa propriedade confere ao diamante seu brilho e brilho característicos, altamente valorizados na joalheria.
  2. Dispersão: o diamante também tem uma alta dispersão, o que significa que ele divide a luz branca em suas cores constituintes, criando um efeito semelhante ao arco-íris conhecido como fogo.
  3. Transparência: O diamante é transparente à luz visível, o que significa que permite que a luz passe através dele sem se espalhar ou absorver. Esta propriedade é altamente valorizada em pedras preciosas e é uma das razões pelas quais o diamante é uma escolha tão popular para joias.
  4. Brilho: o diamante tem um alto brilho, o que significa que reflete a luz de maneira altamente polida e brilhante. Essa propriedade confere ao diamante sua aparência lisa e vítrea e o torna altamente valorizado em joias e outras aplicações decorativas.
  5. Birefringence: o diamante é birrefringente, o que significa que possui diferentes índices de refração em diferentes direções. Essa propriedade pode ser usada para criar efeitos óticos, como duplicação ou divisão de imagens.

No geral, as propriedades ópticas do diamante o tornam uma das pedras preciosas mais bonitas e valiosas do mundo. Seu brilho, fogo e brilho, combinados com sua durabilidade e raridade, o tornaram um símbolo de amor e compromisso e um bem altamente valorizado por séculos.

Ocorrência

Os diamantes são encontrados em uma variedade de configurações geológicas em todo o mundo, incluindo:

  1. tubos Kimberlite: A maioria dos diamantes é formada em tubos de kimberlito, que são tubos vulcânicos que trazem diamantes e outros minerais para a superfície da Terra. Tubos de kimberlito são normalmente encontrados em crátons antigos ou regiões continentais estáveis, e são frequentemente associados a fontes de manto profundamente enraizadas.
  2. lamproítas: Os diamantes também podem ser encontrados em lamproitos, que são semelhantes aos kimberlitos, mas geralmente associados a regiões geológicas mais jovens e menos estáveis.
  3. depósitos aluviais: Alguns diamantes sofrem erosão de suas rochas originais e são transportados rio abaixo por rios e córregos, onde podem se acumular em depósitos aluviais. Depósitos aluviais de diamantes podem ser encontrados em leitos de rios, praias e outros ambientes sedimentares.
  4. Depósitos marinhos: Os diamantes também podem ser encontrados em depósitos marinhos, particularmente nas regiões costeiras da África, onde são erodidos de depósitos em terra e transportados para o mar por rios e correntes oceânicas.

No geral, a ocorrência de diamantes está intimamente ligada à história geológica e à actividade tectónica de uma região, bem como às características específicas mineralogia e química do manto da Terra. Como o diamante é um mineral raro e valioso, é normalmente encontrado em depósitos relativamente pequenos e isolados, muitas vezes em regiões remotas ou inacessíveis do mundo.

Área de Usos

Diamantes industriais

Os diamantes industriais são produzidos sinteticamente ou removidos de depósitos naturais. É usado como um cortador para uso industrial. Geralmente, os diamantes industriais são de formato irregular e defeituosos. Eles são muito importantes no processamento e mineração modernos de metais. Eles são encontrados naturalmente em três variedades. Estes são balas, bort e carbonado.

Balas consistem em massas esféricas de pequenos cristais de diamante. Balas é extremamente duro, duro e difícil de separar. As principais fontes são Brasil e África do Sul. Diz-se que o mel brasileiro é mais difícil.

Bort é um grande diamante cinza a preto causado por inclusões e impurezas. O furo de perfuração consiste em uma média de 20 pedras redondas médias e é usado em brocas de diamante. O aço de trituração, o diamante de grau mais baixo, é triturado em argamassas de aço e classificado em pedras abrasivas de vários tamanhos; 75 por cento do bordu do mundo vem do Congo. Seu principal uso é na fabricação de rebolos para afiação de ferramentas de corte de metal duro, mas também como grãos soltos em suspensão em óleo ou água para lapidação e polimento.

Carbonado, conhecido comercialmente como carbono, é um diamante preto opaco. É duro como o diamante cristalizado, mas menos quebradiço e tem um peso específico menor (3,51 a 3,29), pois sua estrutura é levemente porosa. Carbonado não tem propriedades de liberação e, portanto, é valioso para uso em ferramentas diamantadas. É geralmente visto em pequenas massas em seixos brilhantes na Bahia, Brasil e Bornéu, mas também é encontrado na República Centro-Africana e na Sibéria. Perfuradores de núcleo de rocha, que são amplamente utilizados na exploração de novos depósitos minerais, são feitos montando diamantes em torno de uma cabeça de broca de metal oca.

O diamante é uma pedra preciosa

O diamante de pedra mais popular do mundo. Ele reflete uma alta porcentagem da luz sobre ele. À medida que a luz branca passa por um diamante, essa alta dispersão faz com que a luz caia nas cores componentes. A dispersão é o que permite ao prisma separar a luz branca nas cores do espectro.

Distribuição

Os diamantes são encontrados em muitas partes do mundo, mas a distribuição dos depósitos de diamantes é altamente desigual. A maioria dos diamantes é produzida em apenas alguns países, incluindo:

  1. Rússia: A Rússia é o maior produtor mundial de diamantes, com a maior parte de sua produção proveniente da região de Yakutia, no nordeste da Sibéria.
  2. Botswana: Botswana é o segundo maior produtor mundial de diamantes, com a maior parte de sua produção proveniente das minas de Orapa e Jwaneng.
  3. Canadá: O Canadá é um produtor significativo de diamantes, com suas principais minas localizadas nos Territórios do Noroeste e Ontário.
  4. Austrália: A Austrália é um grande produtor de diamantes, com suas principais minas localizadas na Austrália Ocidental e no Território do Norte.
  5. República Democrática do Congo: A RDC é um produtor significativo de diamantes, com a maior parte de sua produção proveniente das províncias de Kasai e Kasaï-Oriental.

Outros países que produzem quantidades menores de diamantes incluem Angola, África do Sul, Namíbia, Brasil e Índia.

Vale a pena notar que a maior parte da produção de diamantes é controlada por um pequeno número de empresas, que historicamente tiveram influência significativa sobre o mercado global de diamantes. No entanto, nos últimos anos, houve um esforço para maior transparência e abastecimento ético na indústria de diamantes, com esforços para promover o comércio justo e práticas sustentáveis ​​na mineração e distribuição de diamantes.

Exploração e mineração de diamantes

A exploração e mineração de diamantes envolvem uma série de processos complexos que são projetados para localizar, extrair e processar rochas contendo diamantes da crosta terrestre. O processo pode envolver várias etapas, incluindo:

  1. Levantamento geológico: O primeiro passo na exploração de diamantes é realizar um levantamento geológico para identificar potenciais depósitos de diamantes. Isso envolve a análise de dados geológicos, como a composição de rochas, solo e sedimentos, bem como as propriedades geofísicas da área.
  2. Prospecção: Uma vez identificados os potenciais depósitos de diamantes, o próximo passo é a prospecção. Isso envolve examinar fisicamente o local para procurar sinais de rochas com diamantes, como rochas kimberlíticas ou lamproíticas.
  3. Perfuração: Após a prospecção, o próximo passo é a perfuração. Isso envolve a perfuração de poços no solo para coletar amostras de rocha para análise. O processo de perfuração pode ser caro e demorado, mas é essencial para determinar o tamanho, forma e qualidade dos depósitos de diamante.
  4. Mineração: Se os resultados da perfuração indicarem a presença de rochas com diamantes, o próximo passo é a mineração. Existem dois métodos principais de mineração de diamantes: mineração a céu aberto e mineração subterrânea. A mineração a céu aberto envolve a escavação de grandes poços abertos para extrair as rochas com diamantes, enquanto a mineração subterrânea envolve a escavação de túneis e poços para alcançar os depósitos de diamantes.
  5. Processamento: Uma vez extraídas as rochas diamantíferas, o próximo passo é o processamento. Isso envolve esmagar e moer as rochas para liberar os diamantes, que são então separados dos outros minerais usando várias técnicas, como separação por gravidade ou separação magnética.
  6. Classificação e avaliação: Após a extração e processamento dos diamantes, a etapa final é a classificação e avaliação. Isso envolve classificar os diamantes por tamanho, forma e qualidade e avaliá-los com base na demanda do mercado e em outros fatores.

No geral, a exploração e mineração de diamantes são processos complexos e altamente regulamentados que exigem equipamentos especializados, mão de obra qualificada e gestão ambiental cuidadosa. Apesar dos desafios envolvidos, a mineração de diamantes é uma grande indústria mundial, com um valor estimado de mais de US$ 15 bilhões por ano.

Recapitulação dos pontos-chave

  • Os diamantes são formados nas profundezas do manto da Terra sob condições extremas de pressão e temperatura e são trazidos à superfície pela atividade vulcânica.
  • Os dois principais processos pelos quais os diamantes são formados são a subducção de rochas crustais ricas em carbono e a oxidação do metano em zonas de subducção.
  • As condições de pressão e temperatura necessárias para a formação de diamantes são normalmente encontradas em profundidades de 150 a 200 quilômetros no manto da Terra.
  • A exploração e mineração de diamantes podem ser desafiadoras devido aos locais remotos e muitas vezes inóspitos dos depósitos de diamantes, bem como aos impactos ambientais e sociais das atividades de mineração.
  • O diamante possui uma série de propriedades ópticas e físicas únicas, incluindo brilho, dispersão, transparência e dureza, que o tornam altamente valorizado em joias e outras aplicações.
  • A distribuição de depósitos de diamantes em todo o mundo é altamente desigual, com a maior parte da produção proveniente de apenas alguns países, incluindo Rússia, Botswana, Canadá e Austrália.
  • Esforços estão sendo feitos para promover práticas mais sustentáveis ​​e éticas na mineração e distribuição de diamantes, com foco na transparência e no comércio justo.

Perguntas frequentes sobre diamantes

O que é um diamante?

Um diamante é um mineral natural composto de átomos de carbono puros dispostos em uma estrutura de rede cristalina.

O que torna os diamantes tão valiosos?

Os diamantes são altamente valorizados por suas propriedades ópticas e físicas únicas, incluindo brilho, fogo e dureza. Além disso, a raridade dos diamantes e o complexo processo de mineração e lapidação aumentam seu valor.

Como os diamantes são formados?

Os diamantes são formados nas profundezas do manto da Terra sob condições extremas de pressão e temperatura e são trazidos à superfície pela atividade vulcânica.

Quais são os 4Cs da qualidade do diamante?

Os 4Cs da qualidade do diamante são peso em quilates, corte, cor e clareza. Esses fatores são usados ​​para avaliar a qualidade geral e o valor de um diamante.

O que é um certificado de diamante?

Um certificado de diamante é um documento oficial que fornece informações sobre a qualidade e as características de um diamante específico, incluindo os 4Cs e quaisquer características ou falhas únicas.

O que é um diamante de conflito?

Um diamante de conflito, também conhecido como diamante de sangue, é um diamante extraído em uma zona de guerra e vendido para financiar conflitos armados contra governos.

Como posso garantir que os diamantes que compro são de origem ética?

Você pode garantir que os diamantes que você compra sejam de origem ética, procurando diamantes certificados por organizações terceirizadas independentes, como o Kimberley Process Certification Scheme ou o Responsible Jewellery Council.

Quais são alguns cortes de diamante comuns?

Cortes de diamante comuns incluem redondo, princesa, esmeralda, pera, marquise, oval, almofada e cortes radiantes.

Os diamantes podem ser sintéticos?

Sim, os diamantes podem ser criados sinteticamente através de um processo conhecido como alta pressão, alta temperatura (HPHT) ou deposição química de vapor (CVD). Esses diamantes sintéticos têm as mesmas propriedades químicas e físicas que os diamantes naturais.

Os diamantes são para sempre?

Os diamantes são um material durável e duradouro, mas ainda podem ser danificados ou perdidos. A frase “os diamantes são para sempre” é mais um slogan de marketing do que um fato científico.

Referências

  • Bonewitz, R. (2012). Rochas e minerais. 2ª ed. Londres: DK Publishing.
  • Handbookofmineralogy.org. (2019). Manual de Mineralogia. [online] Disponível em: http://www.handbookofmineralogy.org [Acessado em 4 de março de 2019].
  • Mindat.org. (2019). Diamond: Mineral information, data and localities.. [online] Disponível em: https://www.mindat.org/min-727.html [Acessado em 4 de março de 2019].
  • Gurney, JJ, Helmstaedt, HH e Richardson, SH (2010). Os kimberlitas e lamproitas do oeste da América do Norte: Volume 2, Parte II. Canadá: Associação Geológica do Canadá.
  • Shigley, JE, & Breeding, CM (2013). O estudo da proveniência do diamante: uma visão histórica. Gemas e Gemologia, 49(1), 4-34.
  • Smil, V. (2015). Diamante: Uma história global dos diamantes mais cobiçados do mundo gema. Imprensa da Universidade de Yale.
  • Stachel, T., Harris, JW e Muehlenbachs, K. (2015). A origem dos diamantes: uma perspectiva histórica. Em The Geology and Genesis of Diamond (pp. 1-26). Springer.
  • A lupa de diamante. (2022). Produção de diamantes por país 2022. Recuperado de https://www.thediamondloupe.com/diamond-production-country